Viradouro comemora 76 anos com muita festa

Nesta sexta-feira (24) Niterói celebra o dia do padroeiro da cidade, São João. Além do santo a escola de samba niteroiense, Unidos do Viradouro, completa 76 anos de fundação. Várias atrações prometem agitar a agremiação para essa comemoração desde missas até um pocket-show.

A celebração da Missa em Ação de Graças está agendada para às 18h, na Igreja Nossa Senhora da Conceição, no Centro de Niterói. Às 20h, na quadra, com entrada gratuita, a agenda terá abertura do grupo Papo 90.

Divulgação / Unidos do Viradouro

Às 21h30min, na quadra, será apresentada a equipe para o Carnaval 2023. Segundo nota da escola, em seguida, o destaque será o grupo Estrelato. Um pocket-show, com o intérprete Zé Paulo Sierra, ritmistas comandados por mestre Ciça, Erika Januza, rainha de bateria, passistas e casais de mestre-sala e porta-bandeira, encerra o dia de festa.

HISTÓRIA DA ESCOLA

A Viradouro, segundo a escola, foi fundada em 24 de junho de 1946, a partir de rodas de samba que aconteciam no quintal da casa de Nelson dos Santos, mais conhecido pelo apelido de Jangada, na rua Capitão Roseira, próximo à rua dr. Mario Viana, que, na época era chamada Viradouro.

No carnaval carioca, a Viradouro estreou no antigo grupo 4 e foi ascendendo de grupos até conquistar o campeonato do grupo 1, em 1990, com o enredo “Só vale o escrito”, do carnavalesco Max Lopes. O título garantiu à escola a estreia no grupo especial do Rio no ano seguinte. A estreia no chamado grupo de elite do carnaval do Rio coincidiu com a posse de José Carlos Monassa na presidência da agremiação. Monassa comandou a Viradouro até sua morte em 2005, como presidente executivo ou presidente de honra.

Em 2010, a escola retornou ao grupo de acesso, voltando ao especial em 2015, após por ter sido campeã da Série A no ano anterior. Em 2015, no entanto, foi mais uma vez rebaixada, retornou em 2018 para a elite do carnaval. Foi vice-campeã em 2019 e em 2020 campeã com o enredo Viradouro de alma lavada sobre as ganhadeiras de Itapuã. Em 2021, por causa da pandemia da Covid-19, não teve carnaval e em 2022 a vermelha e branca de Niterói cruzou a Marquês de Sapucaí defendendo o enredo “Não há tristeza que possa suportar tanta alegria”, assinado pelos carnavalescos Tarcisio Zanon e Marcus Ferreira, e ficou em terceiro lugar com nota 269,5.

Em junho a Viradouro foi declarada como Patrimônio Cultural Imaterial de Niterói através de uma proposta do vereador licenciado Binho Guimarães (PDT). Para 2023 a escola vai levar o enredo, comandado pelo carnavalesco Tarcísio Zanon, “Rosa Maria Egipcíaca”. Foi autora da Sagrada Teologia do Amor Divino das Almas Peregrinas, o mais antigo livro escrito por uma mulher negra na história do Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.