Repetição da violência na Zona Sul de Niterói

Pedro Conforte –
Raquel Morais –

“Foram dez minutos de intenso tiroteio, ficamos acuados, dentro do quarto, muito medo. O porteiro engatinhou para a garagem, para não ser atingido pelos tiros”, relatou Abidala Camelo, que foi acordado na madrugada desta segunda-feira (01) com criminosos atirando no meio da rua, no bairro Jardim Icaraí, Zona Sul de Niterói. Dois assaltantes roubaram um restaurante, mantendo cerca de 10 pessoas sob a mira da arma. Na fuga eles fugiram atirando a esmo, assustando dezenas de pessoas.

Por volta da 1h30min, dois criminosos renderam os seguranças e taxistas que estavam na porta do restaurante e iniciaram o assalto. De acordo com testemunhas, eles eram muito agressivos, chegando a agredir funcionários do estabelecimento e taxistas que estavam na porta. Segundo a Polícia Militar, foram dois criminosos com pistolas que atiraram quando fugiram, porém para moradores pareciam cenas de guerra.

Bala perdida

“Nunca fiquei tão perto em uma situação semelhante ao estado de guerra, fiquei em choque, desci quando haviam duas patrulhas. Os assaltantes deram tapa na cara dos taxistas”, relatou o advogado Hélio Ferreira de 63 anos.

Em nota, o restaurante Queen Jardim confirmou que foi “vítima da violência que assola o Estado do Rio de Janeiro”. De acordo com a gerência do local, bandidos armados renderam aproximadamente dez pessoas, entre funcionários e clientes. Ninguém reagiu e um funcionário foi agredido sem gravidade. Os bandidos fugiram levando uma televisão e o dinheiro do caixa.

A marca da ‘guerra’ podia ser vista na fachada dos prédios, atingidas pelas rajadas de tiros. Vidros quebrados e paredes perfuradas davam o tom de pânico que aconteceu na madrugada de segunda. “No nosso [prédio], foram uns sete a oito tiros, que quebraram a vidraça, mas ouvimos mais de 50 tiros. A câmera também foi atingida. Os moradores ficaram escondidos com muito medo, os tiros foram muito próximos. Total descaso, temos que ter um policiamento, temos que ter um cuidado maior”, contou Sandra Martes, síndica de um dos prédios baleados.

Um funcionário – que preferiu não se identificar – de um estabelecimento em frente ao restaurante assaltado presenciou tudo. “Um minuto a menos teria sido a gente. Era o nosso estabelecimento e o Queen aberto. Entramos no carro e só vimos os assaltantes enquadrando todo mundo. Chegamos na [Avenida] Roberto Silveira, vimos uma viatura e avisamos, chegaram rápido e deu esse tiroteio”, relatou.

Rua Nóbrega, Bala perdida

Segundo a Polícia Militar, após a denúncia, dois suspeitos com pistolas e um carro roubado foram detidos tentando fugir do cerco policial pela Avenida Sete de Setembro. O comando do 12º BPM (Niterói) afirmou não ter havido confronto entre a PM e os criminosos, que teriam atirado a esmo durante a fuga. A dupla foi levada para a 78ª DP (Fonseca) para reconhecimento das vítimas.

Após o ocorrido, moradores pensam em deixar o país, como é o caso da arquiteta Claudia Franceschini. “Moro de frente [ao restaurante]. Acordamos com o barulho dos tiros. Tenho vontade sair do país, a situação está muito ruim. Ontem [segunda-feira] na [Rua] Leandro Mota, em uma padaria, houve um assalto. É um projeto [sair do país], que é cada vez mais urgente”, desabafou.

Após o ocorrido, viaturas podiam ser vistas reforçando o patrulhamento pelas ruas do bairro durante toda segunda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *