Vereadores querem conversa com interventor após casos de assaltos em Maricá

Os crescentes casos de violência, principalmente de roubos e furtos em Maricá, mobilizaram os vereadores da Câmara Municipal. Os parlamentares querem um encontro com o Comando Militar do Leste para pedir intervenção na cidade. Eles alegam que os casos de assaltos aumentaram exponencialmente. Segundo o vice-presidente, Frank Costa, ocorreram cerca de oito assaltos em São José do Imbassai em apenas cinco horas, nesta terça-feira (20).

“Em questão de horas oito assaltos no loteamento São Francisco. Surpreendeu muita gente. Ontem recebi várias mensagens e ligações de pessoas pedindo socorro”.

O vereador Filippe Poubel (DEM) corroborou afirmando que é preciso buscar respostas junto ao interventor, coronel Braga Netto. Poubel também falou da presença pessoas em situação de rua na cidade. “Toda sessão tem colega alegando assalto. Virou rotina a questão de roubo e assalto. Tem que tomar medidas enérgicas porque estamos perdendo o controle. Vamos ao comando-geral pedir ao general Braga que tome providência. Maricá virou shopping de bandido”.

Ismael Breve (DEM) sugeriu reunião entre o capitão da 6ª Companhia, Capitão Barreto, e o prefeito, Fabiano Horta, para buscar respostas junto ao responsável pela intervenção.

O vereador Robgol (PT) alertou que no bairro da Mumbuca também cresceram os casos de assaltos a transeuntes. “Agora tem assalto dia e noite. As crianças estão indo para a escola e os bandidos assaltam. Temos que procurar o capitão Barreto e a nova delegada”.

Rony Peterson pediu que o novo comandante do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) invista em policiamento na rodovia. “Oito assaltos em questão de horas em um loteamento pequeno e com uma saída. Tive informação que quem vai assumir o BPRv vai ser o Salema. O patrulhamento na rodovia é zero. Peço policiamento na rodovia. Queremos barreiras nas fronteiras de nossa cidade”.

Chiquinho (PP) pediu que a população se atente em não divulgar os horários e locais onde estiverem ocorrendo blitzes policiais.
“Tenho visto os policiais do Proeis fazendo blitz. Mas, tenho visto também a população avisando onde tem blitz colocando ao vivo no Facebook e agradecendo ao capitão Barreto. Os criminosos também têm rede social. Se eles sabem que aí tem blitz eles não vão passar”.

O vereador Felipe Auni (PSD) defendeu a atividade policial. “Ele está ali enfrentando o bandido e ele vai e dá um tiro, cumprindo seu papel. Depois disso ele tem que prestar esclarecimento, ir ao juiz, nisso ele perde tempo. A vida de polícia não é fácil”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *