Vereadores de SG cobram de Pezão solução para Piscinão

Raquel Morais –

Cansada da sensação de abandono do Governo do Estado do Rio de Janeiro com os espaços administrados por ele em São Gonçalo, a Câmara de Vereadores vai se manifestar sobre o Parque Ambiental Praia das Pedrinhas, mais conhecido como Piscinão de São Gonçalo, no Boa Vista. O local, que fica às margens da BR-101, está parcialmente fechado há anos e um ofício será enviado, na semana que vem, ao governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, cobrando manutenção e a reabertura da área de lazer.

A medida foi tomada pelo vereador Alexandre Gomes (PSB), que decidiu pedir providências ao governador. “Mesmo que o Governo do Estado não abra totalmente o piscinão, mas que faça pelo menos a manutenção e que volte a ter atividades recreativas e esportivas. O que não pode é a área estar abandonada e servir para refúgio de bandidos”, comentou o também membro da Comissão de Defesa do Consumidor e Segurança Pública.
O presidente da Câmara de Vereadores de São Gonçalo, Diney Marins, também cobrará providências ao Estado. “É um absurdo que uma das maiores áreas de lazer e esporte do município esteja completamente abandonada. Falta toda a infraestrutura como banheiros e segurança, por exemplo”, explicou.

O autônomo Sérgio Luís, de 57 anos, disse estar treinando para correr a Meia Maratona do Rio de Janeiro há um ano no Piscinão de São Gonçalo. “Venho correr e sinto o abandono. Apenas um banheiro funciona e sem água. A falta de segurança é outra questão que nos deixa preocupados, já que estamos em uma área de risco. Se o piscinão não voltar a funcionar mesmo, poderiam aterrar o espaço, que serviria até para pràtica de atividades físicas”, comentou.

O professor Luciano Telles, de 57 anos, também apontou outras questões, como mato alto. “Faço caminhada todos os dias e aproveito para pegar sol. Esse local tem a necessidade de ter uma área de lazer funcionando, ainda mais nesse período de férias. As crianças iriam aproveitar muito”, reforçou.

O militar aposentado Edézio José, 70 anos, é morador do Centro de São Gonçalo e leva a bicicleta para pedalar e caminhar no espaço pelo menos três vezes por semana. “Os bancos estão quebrados, banheiros trancados e cheio de mosquito. Eu não venho aqui sem repelente”, resumiu.
A Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude (Seelje) foi procurada pela reportagem para comentar o caso, mas não se manifestou até o fechamento dessa edição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 − oito =