Vans a um passo de retornarem às ruas de SG

Raquel Morais –

Dentro de alguns dias os motoristas de vans que circulavam em São Gonçalo poderão voltar a trabalhar. Alguns deles afirmaram, junto ao ex-vereador Edson da Silva Mota, que em audiência pública no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) ficou decidido o veto da Lei 425/2012, da ex-prefeita Aparecida Panisset. A Lei proibia o trânsito do transporte alternativo no município desde 2015. O TJ informou que declarou inconstitucional dois dos quatro artigos, que garantiu a um único consórcio a exclusividade na exploração das linhas municipais de ônibus de São Gonçalo. A Prefeitura de São Gonçalo ainda desconhece a nova normativa.

O motorista de van Luiz Carlos Brito, de 45 anos, está desde 2015 sem poder dirigir sua van, que fazia o trajeto Apolo III-Alcântara, e comemorou a medida. “É uma luta que em nenhum momento desistimos de apoiar. Essa lei que proíbe a circulação das vans é totalmente inconstitucional. Agora vamos aguardar a publicação no Diário Oficial e depois a notificação da Prefeitura de São Gonçalo”, comentou. Já Edson, que é conhecido como Mota do Coopasa, postou em suas redes sociais a seguinte mensagem: “…hoje com a nossa vitória poderemos trazer as vans de volta, iremos conversar com o prefeito para juntos colocar as vans de volta. Esta vitória é do povo gonçalense…”.

A nota do TJ ainda apontou que boa parte dos desembargadores acredita que a lei cheira à improbidade administrativa, violando o princípio da livre concorrência. E alguns chegaram a sugerir que o Ministério Público investigue o caso. A lei passou a vigorar em outubro de 2015 e garantiu ao Consórcio São Gonçalo de Transportes, pelo prazo de 25 anos de concessão, formado por nove empresas, a operação de todo o serviço, inclusive outros modais como vans, kombis, e também os terminais.

A gonçalense Suelen Machado, de 30 anos, gostou da possibilidade das vans voltarem a circular no município. “Não achava bom o serviço da van, mas confesso que era mais rápida do que o ônibus. Sem contar que com a ausência delas nas ruas, os coletivos ficam lotados, sendo insuportável o trajeto em períodos de muito movimento, como volta do trabalho. Tem gente que anda sentada na escada e nos amontoamos uns nos outros para conseguirmos entrar no ônibus”, comentou. Um motorista que preferiu não se identificar também achou bom esse retorno. “Acredito que vai melhorar muito o transporte público”, sintetizou.

A Subsecretaria de Trânsito de São Gonçalo informou que as vans só estão autorizadas a realizar linhas intermunicipais por São Gonçalo, através de rodovias estaduais. As vans que forem flagradas por fiscais circulando dentro do município são recolhidas imediatamente para o depósito. O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Passageiros de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) foi procurado pela equipe de reportagem de A TRIBUNA, mas não comentou o caso até o fechamento dessa edição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 12 =