Valorização da Cultura no Estado

Wellington Serrano –

O secretário de Estado de Cultura, André Lazaroni, disse que está preocupado com a situação do Carnaval 2018 na capital, mas garante que a principal festa do país não vai perder seu encanto. “O carnaval é um investimento entre R$ 20 a R$ 30 milhões, mas que gera receita de R$ 3,5 bilhões”, garantiu. Segundo ele, a Prefeitura do Rio não deve encarar os gastos com o evento como uma verba solta e perdida. “A verba tem que ser olhada pela perspectiva do investimento”, afirmou.

Lazaroni ligou para a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) e para o presidente da Riotur, Marcelo Alves, e disse que ficou mais tranquilo ao saber que o prefeito Marcelo Crivella pretende destinar a metade do subsídio do carnaval através de patrocinadores.

“É importante que as empresas privadas auxiliem porque elas ganham também. Nós vamos ter o carnaval, disso não tenho dúvidas, talvez diminuindo algumas coisas e as escolas precisam rever os seus custos devido à crise. Não podemos criticar a prefeitura porque resolveu apertar os cintos, pois isso é importante nesse momento, mas não podemos relaxar e estamos acompanhando de perto a situação e tenho certeza que vamos ter um carnaval com o apoio do prefeito porque investir no carnaval é investir no estado do Rio de janeiro”, pontuou.

Segundo ele, apesar do momento difícil e com três meses de salários atrasados no estado devido a recessão forte do país, a Secretaria de Cultura do Estado não parou de trabalhar. “Quero aqui agradecer a todos os funcionários da secretaria, do teatro municipal, da Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro (Funarj) e a todas as coligadas que não pararam os equipamentos culturais”, agradeceu.

Segundo o secretário, sua equipe tem um trabalho de identificar espaços públicos fechados para ocupar com arte através dos coletivos locais. Ele disse que em breve vai reabrir as Bibliotecas Parque do Centro, de Manguinhos e da Rocinha, na Zona Sul do Rio de Janeiro. “Vamos lançar edital em breve para contratar bibliotecários. São espaços públicos para a população, principalmente para os jovens que passam o dia inteiro no local. Em setembro vamos estar com tudo pronto para a reabertura”, revelou.

CULTURA PARA TODOS
Lazaroni falou sobre a novidade que vai lançar em setembro, através de um edital para coletivos locais que já façam cultura na Região Metropolitana. “Vamos abrir 250 pontos de cultura para o interior que tem uma grande demanda. Temos que olhar todos os municípios com carinho e vamos fazer isso através do projeto Cultura para Todos”, realçou.

FUNDO ESTADUAL DE CULTURA
O secretário revelou que em breve vai fazer o lançamento do Fundo Estadual de Cultura e já convida os empresários para o evento. “Conseguimos fazer com que o governador sancionasse o Fundo que estava parado desde 2015. Sue será um instrumento de financiamento da política pública estadual de cultura, de natureza contábil e financeira, com prazo indeterminado de duração, destinado a fomentar as atividades culturais no Estado do Rio de Janeiro”, pontou.

Ele disse que 25% de todo dinheiro arrecadado pela Lei de Incentivo à Cultura necessariamente terá que ser depositado no Fundo. “Existe incentivo para as empresas que colocarem recursos no fundo e poderão creditar 100% do seu ICMS. Isso vai nos permitir ter uma ferramenta para democratizar a cultura não só para a capital, mas também para a região metropolitana e o interior”, disse.
O secretário ressaltou que o fundo vai possibilitar um intercambio cultural de todo o estado. “Importante que todos os produtores culturais, sejam eles da Zona Sul do Rio de Janeiro, de Niterói, de São Gonçalo, desde Porciúncula até Paraty, que todos tenham acesso ao fundo e à cultura. Só a solidariedade pode fazer com que a cultura seja efetivamente uma ferramenta de mudança na vida das pessoas”, concluiu.

ANIVERSÁRIO DO THEATRO MUNICIPAL DO RIO
Lazaroni comemorou nesta sexta-feira o aniversário de 108 anos do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. “Apesar das dificuldades que temos enfrentado, tanto a diretoria quanto os funcionários querem seguir em frente com os espetáculos”, postou nas redes sociais.

O Theatro esteve de portas abertas para receber o público com uma programação extensa e diversificada e contou logo cedo com apresentação da Banda dos Fuzileiros Navais, que se apresentou nas escadarias do Theatro Municipal. Em seguida, foi a vez dos bailarinos da peça ‘Um espetáculo de operetas’, com a Academia de Ópera Bidu Sayão. Às 12h, aconteceu apresentação dos alunos da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa que subiu ao palco para apresentar três balés, ‘Alegria Russa’, ‘Mozart’ e ‘Les Sylphides’.

As visitas guiadas também funcionaram e tiveram entrada franca em parte do dia. No aniversário, os visitantes aprenderam mais sobre a história do Theatro Municipal e a importância do espaço. Ao final da visita, Sacha Rodrigues fez uma homenagem a seu avô Nelson Rodrigues, lendo um texto no qual o dramaturgo conta como foi a estreia de “O Vestido de Noiva”.

À tarde foi encenada “A morte do cisne”, número de balé com piano e violoncelo, dançado por Deborah Ribeiro, primeira solista do Balé do Theatro Municipal. O público pode assistir aos Pequenos Mozart e Amadeus, conjunto de violinos composto por crianças a partir de 3 anos que se vestem com roupas da época do grande compositor Wolfgang Amadeus Mozart. Depois foi a hora da bailarina Deborah apresentar “A Morte do Cisne”, dessa vez no Salão Assyrio, junto com o cantor popular Marcio Gomes, que interpretou canções da época do rádio, tango e boleros.

Para encerrar a noite o aniversário contou com a Orquestra Sinfônica, o Coro e o Ballet do Theatro Municipal que se apresentaram para a cantata ‘Carmina Burana’, que foi composta pelo bailarino alemão Carl Orff com absoluto sucesso de público e crítica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 3 =