Usuários denunciam precariedade no Pronto Socorro de SG

Raquel Morais –

Nos últimos dias quem precisa de atendimento no Pronto Socorro de São Gonçalo (PSSG), no bairro Zé Garoto, tem que usar uma dose extra de paciência. A unidade está passando por reformas em alguns setores, mas as melhorias nem de longe agradam quem usa a unidade pública de saúde. Mofo, umidade, sujeira e falta de medicamentos são alguns dos problemas enumerados. E não só os pacientes reclamam do espaço, mas funcionários também criticam a administração atual, que atrasa o pagamento de enfermeiros e técnicos por exemplo.

A artesã Tânia Lobo, de 52 anos, estava na frente da unidade na manhã de ontem esperando processos administrativos para liberação do corpo do seu marido, que faleceu na última terça-feira. “Ele deu entrada com erisipela e confusão mental, mas também tinha que fazer hemodiálise, por problemas renais. Não pude ficar com ele no CTI e não sei o que aconteceu lá dentro. Mas a unidade toda está um caos. É uma vergonha a sujeira, os banheiros imundos e a estrutura muito comprometida”, comentou.

Já a filha de uma paciente que está internada e que preferiu não se identificar, explicou que o aparelho de hemodiálise está quebrado, além do CTI estar com mofo e umidade em excesso. “Fiquei sabendo que uma pessoa morreu no último domingo por falta da hemodiálise. O CTI tem muita mancha de umidade e isso é muito triste”, pontuou. A Prefeitura de São Gonçalo informou que na unidade não teve óbito no domingo por falta de hemodiálise.

O Instituto de Desenvolvimento Educacional, Social, da Saúde e Profissional (Idesp) assumiu a unidade há cerca de três meses e a primeira medida foi abastecer a unidade com medicamentos e insumos. Em seguida o instituto fez processo seletivo, assinou carteira de trabalho dos funcionários e iniciou um trabalho de humanização no atendimento. Junto de um arquiteto e um engenheiro, o Idesp realizou o mapeamento de toda a unidade e destacou as primeiras ações de emergência na infraestrutura: limpeza das caixas de água e cisterna e obras no setor de Raio X.

O Idesp apresentou ao Conselho Municipal de saúde todo o cronograma de trabalho a curto, médio e longo prazos e entre o planejamento está obras de infraestrutura em todos os setores. Ainda de acordo com o posicionamento oficial não existe pagamento atrasado e todos os funcionários ativos estão com os salários em dia.

A Prefeitura esclareceu que está acompanhando a gestão do Idesp por meio da Comissão de Auditoria e Fiscalização das Organizações Sociais, da Secretaria Municipal de Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *