Uma mulher negra foi a mais votada para a Câmara de Niterói

Pela primeira vez na história de Niterói uma mulher negra foi a mais votada para um mandato na Câmara Municipal. Talíria Petrone, de 31 anos, nascida em Niterói e moradora do bairro de Ponta da Areia, conquistou 5.121 votos, à frente do colega de bancada Paulo Eduardo Gomes, que obteve 5.083. Professora licenciada da rede pública municipal do Rio, participou de sua primeira eleição e promete fazer mandato em defesa dos direitos da comunidade negra, além dos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) e moradores da periferia.

“Trabalho pelo fortalecimento dos setoriais de negros e mulheres no partido. O meu mandato vai ocupar um espaço de defesa destes segmentos na Câmara e na cidade. Para nós, é importante lutar pela redução das desigualdades no município e atingem, principalmente os negros e negras, além da comunidade LGBT. Isso mostra que Niterói também tem um lado progressista”, declarou Talíria, que é solteira e sem filhos.

Os outros vereadores do PSOL, Henrique Vieira e Renatinho, ficaram na suplência. O primeiro obteve 3.457 e o segundo, 3.275. O terceiro mais votado para o Legislativo foi o atual presidente da Casa, Paulo Bagueira, do Solidariedade (SD), com 4.675 votos. Reeleito para o 8º mandato, tentará o 3º à frente da instituição em pleito que ocorrerá em 2017. “Foi uma eleição muito equilibrada, sem grande diferença de votos entre os eleitos. Isso se deveu à grande influência da internet na campanha”, observou.
Renovação: Dos 21 vereadores da Câmara Municipal, 13 foram reeleitos e sete deixarão a Casa em janeiro de 2017. Além de Bagueira, foram reeleitos Dr. Emanuel Rocha, Andrigo (ambos do SD), Paulo Eduardo Gomes (PSOL), Renato Cariello (PDT), Verônica Lima (PT), Bruno Lessa (PSDB), Luiz Carlos Gallo (PSL), Milton Cal (PP), Rodrigo Farah, Beto da Pipa (ambos do PMDB), Leonardo Giordano (PC do B) e Carlos Macedo (PRP).

Entram em 2017: Talíria Petrone (PSOL), Leandro Portugal (PSDB), Renatinho da Oficina (PTB), Ricardo Evangelista (PRB), Sandro Araújo (PPS), Carlos Jordy (PSC), Dr. Paulo Velasco (PT do B) e João Gustavo (PHS). Saem: Henrique Vieira, Renatinho (ambos do PSOL), Daniel Marques (PV), Bira Marques (PT), Betinho (SD), Paulo Henrique (PPS) e Priscila Nocetti (PMB).

A coligação do prefeito Rodrigo Neves (PV), que busca a reeleição, elegeu a maior bancada, com 15, sendo três do Solidariedade (SD), e um do PDT, PT, PV, PSL, PP, PTB, PMDB, PC do B, PRB, PPS e PRP. Já a do candidato do PSB, Felipe Peixoto, elegeu quatro, sendo do PSDB, PSC, PHS e PT do B. O PSOL do terceiro colocado no pleito, o deputado estadual Flávio Serafini, elegeu apenas dois, um a menos do que em 2012. O Solidariedade elegeu a maior bancada, seguido do PMDB e do PSOL.

3 thoughts on “Uma mulher negra foi a mais votada para a Câmara de Niterói

  • 4 de outubro de 2016 em 00:11
    Permalink

    A mulher mais doida a que vai contra a religião , grita com os outros ,não aceita quem não concorda com ela e ainda mais é a favor da ideologia de gênero.
    E ainda fica fazendo as cabeças de crianças com o feminismo em colégio. Que nojo .

    Resposta
  • 4 de outubro de 2016 em 10:39
    Permalink

    Não entendo por que uma imprensa que “se diz” combater tanto o racismo ,quando um negro (a) se destaca a primeira coisa que esta imprensa salienta é a cor da pele.Não deveria ser algo normal, se consideramos todos iguais?

    Resposta
  • 4 de outubro de 2016 em 10:56
    Permalink

    Gostaria que ela tivesse outros atributos para a função que não fossem ser só mulher e negra. Isso não garante capacidade a ninguém. Desde quando sexo e cor determinam algo na vida profissional de alguém. Depois querem falar de preconceito, para mim um ser é capaz ou não é isso basta.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + treze =