Um nocaute na desigualdade social

São infinitas as possibilidades para um campeão de luta mundialmente reconhecido, mas Mestre Carlão Texeira, depois de 17 anos de competições e muito suor no ringue, escolheu suar por outras pessoas, por jovens de comunidades carentes. Fundador do projeto social Estilo Livre, o ex-lutador há 25 anos dá uma chance a crianças e jovens para sair do mundo do crime e das drogas e oferece um mundo de oportunidades por meio da disciplina das lutas.

Carlão lembra que tudo começou com uma aula, sem pretensão, em uma comunidade em São Domingos, na Zona Sul de Niterói. Atualmente, o projeto não se limita às fronteiras da cidade, são mais de 40 unidades em diversas cidades do País e duas fora do Brasil: em Portugal e na Suíça.
“Eu dava aula em uma garagem, uns alunos então pediram para eu dar uma aula na comunidade. Desde então não parei. Tirar esses meninos do tráfico, que poderiam ser presos ou, até pior, mortos, e dar um propósito com a disciplina da arte marcial é gratificante”, contou o mestre.

Depois de anos, hoje o projeto tem uma estrutura bem arquitetada. Antes do aluno partir para a prática da arte marcial, tem que passar por outras fases. “Por estarem em contato com o tráfico, muitos são dependentes químicos, então o primeiro passo é a desintoxicação e o acompanhamento religioso, seja ele qual for, para lavar o corpo e a alma. Hoje no Rocha temos um centro de reabilitação para isso. Depois disso, temos a segunda fase, na qual colocamos o jovem no mercado de trabalho, por fim, iniciamos eles nas artes marciais. Muitos alunos já saíram do projeto e se tornaram lutadores, dez foram para o UFC apenas em 2019, mas o principal não é formar lutadores e sim cidadãos”, contou Carlão, que lembrou ainda que o projeto conta com reforço escolar, aulas de inglês, diversas modalidades de artes marciais e aulas de xadrez.

Mas para manter a estrutura do projeto em funcionamento não é fácil. Em 2019 foram 15 eventos para garantir sua permanência. Atualmente, o projeto é patrocinado pela Secretaria Municipal de Esporte e Lazer e recebe algumas doações. “Em dezembro [dia 14] faremos um curso de defesa pessoal e para se inscrever pedimos três quilos de alimentos não perecíveis. Em abril do ano que vem teremos o Campeonato Estadual de Muay Thai em Niterói. Serão oito cinturões em jogo”, afirmou Carlão.

Questionado sobre o por quê continuar no projeto mesmo depois de já ter sido ameaçado e ter um fuzil na sua cabeça o ex-lutador não titubeia: “foi a maneira que encontrei de ser um ser humano melhor. Ver esses jovens saindo do mundo do crime e virando atletas e cidadãos melhores, sendo campeões na vida, não tem preço”.

Quem quiser ajudar ou saber mais do projeto basta entrar em contato no telefone (21) 96472-3622.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *