UFRJ diz que não recomendou ‘lockdown’ no estado

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lançou ontem (24) uma nota oficial afirmando que a instituição não recomendou o fechamento total do comércio no Estado do Rio de Janeiro, medida conhecida como “lockdown”. A universidade frisou que o Grupo de Trabalho (GT) não emitiu nenhum parecer nesse sentido.

A instituição ponderou que os dados do covidímetro equivalentes ao último domingo (23) podem sugerir a necessidade de interrupção total das atividades. No entanto, a UFRJ observa a necessidade de se analisar outras variáveis, entre elas a ocupação de leitos e a quantidade de casos para cada 1000 mil habitantes para tomar uma decisão desse porte.

Veja a nota na íntegra:

“Diante de notícias veiculadas em portais da internet alegando que a Universidade Federal do Rio de Janeiro teria recomendado lockdown no estado, a instituição informa que não existe nenhuma nota técnica emitida pelo Grupo de Trabalho (GT) Multidisciplinar para Enfrentamento da Covid-19 com tal orientação neste momento.

Ainda que o covidímetro, de 23/1, disponível em coronavirus.ufrj.br/covidimetro, possa sugerir a necessidade de interrupção total de atividades no Rio, outras variáveis precisam ser analisadas para qualquer recomendação desse porte, como o número de casos por 100 mil habitantes e a ocupação de leitos, por exemplo, e não apenas uma verificação acerca do índice R. É necessária, portanto, uma análise conjuntural.

Assim, reitera-se que não existe recomendação imediata de lockdown por parte da Universidade. Há consenso, entretanto, de que, quando o “R” está muito alto (acima de 2 – atualmente o índice é 2,6), medidas são necessárias visando à redução da taxa de transmissão do coronavírus: usar máscaras, evitar aglomerações, higienizar as mãos e ter o esquema vacinal completo, por exemplo.

O GT Covid-19, ligado ao Gabinete da Reitoria, continua monitorando a pandemia no estado a fim de munir, com ciência e informação, a comunidade acadêmica e as autoridades responsáveis pela gestão da saúde.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.