UFRJ detecta vírus Mayaro em Niterói

Há um novo vírus transitando no estado do Rio de Janeiro. Essa é a conclusão de um recente estudo do Laboratório de Virologia Molecular, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Provocada pelo vírus de mesmo nome e “primo” da Chicungunha, a febre de Mayaro é observada de forma endêmica na região Norte do país. A infecção pelo vírus, pertencente à família Togaviridae e ao gênero Alphavirus, causa febre alta e dores articulares crônicas, o que provoca confusão na tentativa de diagnóstico clínico, se baseado apenas nas características sintomatológicas das infecções. Todos os três casos descobertos foram em Niterói

Como o estudo foi feito

Em 2016, o Laboratório fez diagnóstico molecular de arboviroses na região Sudeste (dengue, zika, entre outros), incluindo o vírus da Chicungunha, que ocasionou, em 2016, um surto na região Sudeste, persistindo com seu maior índice agora em 2019.

Sob coordenação dos pesquisadores Amilcar Tanuri e Rodrigo Brindeiro, foram estudadas 279 amostras indicativas de infecção pelo vírus da Chicungunha, seguindo o quadro sintomatológico.

Do total, 57 amostras (duas em cada dez) não apresentaram diagnóstico molecular para o próprio vírus nem sorológico, sendo consideradas de análise indeterminada. Isso se deve, principalmente, ao tempo de coleta das amostras clínicas para diagnóstico (sangue e urina), que só possuem sensibilidade para detecção do vírus da Chicungunha numa janela de cinco e 21 dias pós-sintomas iniciais para sua detecção, respectivamente. Após esse período, é comum haver uma limpeza do vírus nos fluidos corporais, mesmo com a permanência dos sintomas clínicos.

Na reanálise dos 57 casos indeterminados para Chicungunha sob PCR em Tempo Real, capaz de amplificar uma região de 107 pares de bases de genoma do gene NS1, específico do Mayaro, detectaram-se três casos retrospectivos de diagnóstico para esse vírus, endêmico da Amazônia. O PCR em Tempo Real é uma versão aperfeiçoada da PCR (Reação em Cadeia da Polimerase, em português). Seu princípio se embasa na duplicação de cadeias de DNA in vitro que pode ser reproduzida diversas vezes, originando quantidade de DNA suficiente para realizar várias análises.

Com a detecção do Mayaro nas três amostras, os cientistas comprovaram, portanto, que os vírus do Mayaro e da Chicungunha já circulam juntos no estado do Rio de Janeiro. Em diferentes proporções, provocam o mesmo quadro clínico de febre alta e dores articulares crônicas. A descoberta pode causar um desafio diagnóstico ainda maior, porque existe uma grande reatividade sorológica cruzada entre os vírus Mayaro e o da Chicungunha.

Os três casos possuem características epidêmicas comuns: todos são de Niterói, provavelmente de pessoas infectadas que não viajaram para regiões endêmicas e identificados no ano de 2016.

Os pesquisadores agora realizam estudos para confirmar e aprofundar as características virais, epidêmicas e sorológicas das infecções. Será necessário também realizar estudos de xenovigilância epidemiológica, coletando mosquitos de diferentes espécies (Haemagogus, Sabethes, Aedes e Culex) na região afetada (Niterói, São Gonçalo, Maricá etc.) a fim de avaliar a existência desse vírus amazônico de forma ecotrópica, na região do Grande Rio.

A população deve seguir os mesmos procedimentos já adotados para combater os mosquitos da dengue, entre eles evitar água parada e usar repelentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *