UFF desenvolve jalecos diferenciado para dentistas na pandemia

Foi concluída a segunda etapa de pesquisa que avalia a eficácia de jalecos cirúrgicos na proteção dos dentistas contra a covid-19. Dos sete tecidos testados, cinco eram TNTs (tecido não tecido) com barreiras laminadas, que apresentaram condições de impermeabilidade, essenciais para uso dos profissionais da odontologia, enquanto os dois restantes, à base de poliéster e de algodão, não funcionaram como repelentes de água, apesar de serem relatados como hidrorrepelentes.

A equipe que realizou o estudo foi liderada pela cirurgiã-dentista e professora titular de Periodontia da Universidade Federal Fluminense (UFF) Eliane dos Santos Barboza.

“Os profissionais de saúde que trabalham com aerossóis, principalmente dentistas, que utilizam caneta de alta rotação e aparelhos de ultrassom para fazer raspagem geral, se estiverem expostos a esses aerossóis, devem utilizar vestimentas impermeáveis”, afirmou Eliane.

Salientou que o estudo faz distinção entre impermeáveis e hidrorrepelentes porque esses segundos materiais, às vezes, não são impermeáveis.

“A gente tem tido várias perdas de colegas dentistas para a covid-19”.A professora de Periodontia da UFF observou que o tecido SMS, composto de seis camadas (SSMMMS – Spunbond, Spunbond, Meltblown, Meltblown, Meltblown, Spunbond), mundialmente utilizado na fabricação de vestimentas cirúrgicas, não foi barreira para o aerossol em cinco minutos, tempo de duração do teste, que equivale ao tempo máximo ininterrupto de exposição do dentista a um procedimento odontológico, como preparação de uma coroa. O mesmo ocorreu em relação ao tecido de algodão impregnado com nanopartículas, que não ofereceu proteção contra aerossóis. Os dois tecidos são descritos como repelentes de água. Eliane esclareceu que esses tecidos podem ser usados por médicos, visando barreira microbiana, mas não em consultórios odontológicos, para garantir a segurança dos dentistas.

Essa etapa complementar da pesquisa envolveu a montagem de uma metodologia inédita, em um dos laboratórios da Odontologia, com o propósito de avaliar a efetividade dos EPIs por meio da simulação da produção de aerossol. O trabalho foi dividido em etapas que consistiram na execução dos procedimentos com aerossóis nas 70 amostra, sendo dez amostras de cada um dos sete diferentes tecidos; transferência e análise das imagens; análise estatística dos resultados; etapa de discussão e produção do artigo científico já submetido para a publicação “Frontiers in Dental Medicine”, um periódico de livre acesso.

Foram aprovados os cinco seguintes tecidos: Laminated Phobic #B5RHBBK50, que é um TNT (polipropileno) com filme (laminado) de polietileno, fabricado e enviado pela Fitesa (Porto Alegre); Medical Barrier #002, TNT também da Fitesa, laminado com polietileno da Nova Embalagens e Filmes Técnicos (Rio de Janeiro), distribuído pela Mewi (RJ); Trilayer Fabric #21804, tecido composto de 3 camadas (poliéster, membrane de poliuretano e poliester), fabricado pela Alpex (Saint Chamond, Loire, France); Jaleco impermeável #78631, TNT (polipropileno) com filme (laminado) de polietileno, fabricado pela Polymer Group Inc. (São José dos Pinhais-PR); e Impermeável com fita seladora #000017, TNT (polipropileno) com filme (laminado) de polietileno, fabricado pela Cotebras (São Paulo).

Já os dois tecidos considerados não impermeabilizantes foram o SMS PP OE Phobic #N070AS40, TNT de seis camadas, enviado pela Fitesa, e o Clean Wear #03 (100% algodão com nanopartículas) – Nanowear (Novo Hamburgo-RS).

Eliane Barboza avaliou que toda a conduta dos profissionais da área da saúde vai ter que mudar, como ocorreu com o HIV. “Antes da Aids, não tinha caneta de alta rotação esterilizável. Com o HIV, é contaminação pelo sangue. No caso da covid-19, é contaminação pelo ar”. Outra coisa que preocupa muito é a contaminação cruzada, ressaltou. Um profissional tira o jaleco, cumprimenta uma pessoa que leva a mão ao nariz ou ao olho, “e vai contaminando tudo”. Completou: “A gente vai ter novos protocolos de atendimento, como foi feito para o HIV”.

O grupo de pesquisadores incluiu o diretor da Faculdade de Odontologia, professor Ésio Vieira, que já adquiriu os EPIs de acordo com as especificações necessárias para a segurança dos profissionais e alunos do curso, o que possibilitou um retorno aos atendimentos clínicos; o chefe do Departamento de Odontoclínica, professor Gustavo Oliveira; o docente do Departamento de Odontotécnica, Waldimir de Carvalho; as mestrandas Caroline Montez e Luiza Sendra; e o pós-doutorando Vinicius Ferreira. (Alana Gandra)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − três =