Tribunal Eleitoral indefere a candidatura de Jaime Figueiredo

Por unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) manteve, na sessão desta quarta-feira (4), o indeferimento da chapa liderada por Jaime Figueiredo à Prefeitura de Silva Jardim, que tem Marcilene Xavier como candidata a vice-prefeita. Eles registraram a candidatura pela coligação “Reconstruindo Silva Jardim” (PP/ Pros). O Colegiado do TRE-RJ confirmou a sentença do Juízo da 63ª Zona Eleitoral, que já havia indeferido a chapa pelo fato de o atual presidente da Câmara, Jaime Figueiredo, não ter cumprido o prazo legal de seis meses para filiação partidária no Pros. 

Na mesma sessão, o Colegiado do Tribunal indeferiu o registro de candidatura da chapa dos candidatos Valber Tinoco,  a prefeito, e Wolney Ferreira, a vice, pela Coligação “Escrevendo uma Nova História” (Republicanos/PTB). Há o registro de uma condenação de Tinoco por crime contra relações de consumo. Por unanimidade, a Corte entendeu que esse seria “uma subespécie do gênero crime contra a economia popular”, o que é uma causa de inelegibilidade. Caso recorram das decisões, os candidatos continuarão aptos a participar da campanha eleitoral.

As eleições suplementares para a escolha dos novos prefeito e vice ocorrem no próximo domingo (8). A chapa vitoriosa irá exercer o mandato até o final deste ano. 

Segundo o TRE-RJ, as outras chapas registradas são: Antônia Benfeitas, a Dra. Antônia Benfeitas, que se registrou pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), tendo como vice Maria José da Silva. Evandro
Pietrafessa encabeça a candidatura do partido Avante, com Elmo Cruz Machado como vice. A chapa de Júlio Cezar Delphino, o pastor Júlio Cezar,
traz como vice Pedro Paulo do Carmo, o Pedro Paulo Pepê. Eles concorrem
pelo partido Podemos (PODE). Maria Dalva do Nascimento, a Cilene, e o vice Marcos Antônio Nascimento, o Marquinho Caranga, disputam
pelo Solidariedade (SD). Os nomes do Partido Liberal são: Zilmara Brandão e o vice Liés Abibe.

MP vai atuar na cidade

O município de Silva Jardim vai receber no domingo (8) durante a eleição suplementar direta para prefeito e vice-prefeito a presença do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da Ouvidoria-Geral e do Centro de Apoio Operacional das Promotorias Eleitorais (CAO Eleitoral/MPRJ). A Ouvidoria-Geral funcionará, das 8h às 18h, através do seu serviço telefônico de atendimento (telefone 127), recebendo denúncias de irregularidades e tirando dúvidas da população. O órgão contará com o apoio dos servidores do CAO Eleitoral/MPRJ, que participarão do plantão de maneira remota.

A eleição suplementar direta em Silva Jardim foi regulamentada pela resolução 1.112/2019, expedida pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) em 29 de novembro de 2019, e conta com sete chapas inscritas. Poderão votar eleitores que possuíam domicílio eleitoral no município em 9 de outubro de 2019, que estejam em situação regular.

A ex-prefeita Maria Dalva do Nascimento foi cassada pelo TRE-RJ em setembro de 2019, por se utilizar das práticas de compra de votos, abuso de poder político e econômico e uso indevido dos meios de comunicação nas eleições de 2016, e permaneceu no cargo até ter seu recurso negado pelo TRE-RJ em outubro do mesmo ano. Desde então, o vereador Jaime Figueredo Lima ocupa o cargo de prefeito interino, após ter sido eleito em votação interna feita pelos vereadores no final de outubro. O prefeito e o vice eleitos exercerão mandato até 31 de dezembro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − 5 =