Três mortos e dois baleados em guerra do tráfico

Augusto Aguiar –

Após vários meses num clima que mais parecia de “guerra fria” entre bandidos de facções rivais na região apelidada de “Fonsequistão”, no fim da noite de segunda-feira a batalha pelo controle do tráfico na Zona Norte da cidade voltou com força total. Segundo informes, o enfrentamento entre bandidos rivais, das comunidades do Santo Cristo e Vila Ipiranga, no Fonseca, deixou saldo trágico de três mortos e dois moradores da região baleados, esses últimos possivelmente atingidos por balas perdidas. Até o fim da manhã de ontem, uma das vítimas permanecia internada no Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), em estado grave, após ser atingida por um tiro na testa.

Fontes policiais adiantaram que no fim da noite de segunda-feira, por volta das 23 horas, criminosos da facção Terceiro Comando Puro (TCP), vindos da comunidade Santo Cristo, tentaram invadir e tomar os pontos de venda de drogas na vizinha e rival Vila Ipiranga, controlada pelo Comando Vermelho (CV). Em meio ao enfrentamento, de acordo com o 12º BPM (Niterói), guarnições foram acionadas para duas graves ocorrências, ambas ligadas ao confronto.

Em uma delas, policiais foram para a Rua Tenente Osório, divisa entre as duas localidades, onde dentro de um Sienaos policiais encontraram três corpos com marcas de tiros. As vítimas, com idades entre 20 e 25 anos, não foram identificadas e os corpos estavam nos bancos dianteiro e traseiro. O veículo, abandonado no meio da via, apresentava várias marcas de tiros na lataria, como se tivesse sido cercado e atacado por homens fortemente armados. Agentes da Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG) foram para o local, onde foi realizado um trabalho de perícia. Até o fim da manhã não ontem não havia informes sobre a identificação dos três mortos. Vários estojos de munições (deflagradas) foram encontrados perto do veículo onde estavam os três mortos.

No início da tarde de ontem surgiram informações dando conta que os três mortos seriam oriundos de São Gonçalo e que o Siena havia sido roubado, ainda na noite de segunda-feira, também na Zona Norte de Niterói.

Garçon atingido por tiro na testa

Policiais também foram para a Vila Ipiranga, no fim da noite de segunda-feira, onde numa residência da Travessa Antunes Figueiredo, um garçom, morador da comunidade, identificado como José Airton Catunda Mororó, de 42 anos, foi atingido por um tiro na testa. Ele foi socorrido e internado, em estado grave no Heal, e até o início da tarde de ontem seu quadro clínico permanecia inalterado. Uma mulher, outra moradora, cuja identificação não foi divulgada, também teria sido atingida por um tiro na perna, sendo medicada e liberada.

Policiais militares mantiveram contato com o irmão do garçom, de 40 anos, que explicou que na noite de segunda-feira José estava em casa, sentado na cama com seu filho no colo, quando foi atingido por um tiro. O irmão de José não soube dizer de onde teria partido o disparo, mas confirmou que bandidos de facções rivais estariam se enfrentando a tiros na comunidade. José Airton foi socorrido e encaminhado para o centro cirúrgico do Heal em estado muito grave.

Uma fonte policial, com vários anos de experiência na Polícia Civil, revelou que a rivalidade e a briga pelo controle do tráfico entre bandidos rivais das comunidades do Santo Cristo e Vila Ipiranga é mais antiga do que muita gente pensa, e já persiste por mais de 30 anos na Zona Norte de Niterói. Essa violenta disputa atravessa os anos, passando por várias lideranças, que as mantém, sendo um dos mais difíceis desafios para as autoridades policiais do município. Em determinados períodos, a situação fica em situação de aparente calma, mas depois alterna para um violento enfrentamento. Nessa disputa, outros criminosos, aliados de uma e da outra comunidade (de mesma facção), oferecem suporte na briga, justificando os períodos em que a região é apelidada de “Fonsequistão”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *