Time Brasil investe em preparação mental antes, durante e após os Jogos Olímpicos

A preparação de um atleta para os Jogos Olímpicos começa muitos anos antes de o evento acontecer. E para atingir sua melhor performance, não basta apenas estar bem fisicamente e com o corpo bem treinado, é necessário também realizar uma boa preparação mental. Ciente disso, o COB (Comitê Olímpico do Brasil) mantém um departamento dedicado ao tema e enviou três psicólogas do esporte e um coaching esportivo para darem suporte ao Time Brasil em Tóquio. 

Carla di Pierro, Alessandra Dutra e Marisa Markunas, além do coach e ex-jogador de vôlei Antonio Carlos Moreno, estão no Japão para atender os atletas, agindo em sintonia com as equipes técnicas do Time Brasil. Um trabalho que dá sequência a um atendimento personalizado feito durante todo o ciclo olímpico por profissionais da área de ciências do esporte do COB, que engloba preparação física, técnica, tática e mental. Antes do embarque, o departamento também distribuiu um material com dicas e orientações, além de se colocar à disposição de todos em ação em Tóquio. 

“Cada modalidade tem sua própria cultura e demandas psicológicas, com diferentes exigências emocionais e necessidade de diferentes estratégias mentais. É fundamental que se trabalhe para potencializar esse desenvolvimento psicológico, de forma que o atleta possa enfrentar e suportar adversidades, superando tudo isso. A psicologia do esporte se difere da psicologia em outros contextos à medida que temos o objetivo da performance”, explica Markunas, que trabalha com a equipe permanente de boxe e com o ciclista Luiz Cocuzzi, entre outros atletas. 

“O processo de estabelecimento de vínculo com atletas e treinadores é a base para, por um lado, prevenir dificuldades emocionais severas, como tem sido falado nesses Jogos a partir do exemplo da Simone Biles, e por outro, potencializar as habilidades mentais e emocionais para a performance”, completou. 

No Brasil, além de definirem ações do COB, as psicólogas trabalham acompanhando atletas e equipes. Na pandemia, os atendimentos aumentaram e passaram a ser realizados primordialmente online. Nos Jogos de Tóquio, o time de preparação mental tem uma sala no prédio do Brasil na Vila Olímpica e outras três na base de Chuo, interligadas a espaços de massoterapia, usada como tratamento auxiliar para os atletas. Os profissionais de preparação mental do COB também estão a postos nos Jogos para atendimentos emergenciais e atuam em sintonia com as equipes técnicas no Japão e com os psicólogos que estão no Brasil. 

Foto: Rafael Bello/COB

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.