Técnica de enfermagem flagrada furtando dose da vacina contra Covid-19 em posto de Saúde de São Gonçalo

Mais uma técnica de enfermagem foi indiciada por peculato, suspeita de desviar vacinas. O caso mais recente aconteceu na noite desta terça-feira (13), quando a profissional da saúde Luciana Soares dos Santos, que trabalha no Porto de Atendimento Médico (PAM) de Neves, em São Gonçalo, foi detida enquanto estava com uma dose de imunizante contra a covid-19. Em fevereiro, a técnica Rozemary Gomes Pita, que trabalhava em Niterói, foi indiciada pelo mesmo crime.

De acordo com informações da Polícia Civil, Luciana teria escondido uma seringa com imunizante CoronaVac no interior de um recipiente com gelo e alegou que estaria juntando restos de vacina para fazer uma aplicação no marido. Ela foi surpreendida ao ser abordada por policiais do programa São Gonçalo Presente, após sair do posto de Saúde, quando seguia para sua residência, numa motocicleta. A ocorrência foi registrada na 73ª DP (Neves).

O delegado Leonardo Macharet, titular da 73ª DP, confirmou o indiciamento de Luciana. A distrital iniciou investigação para apurar o fato e, principalmente, se a técnica de enfermagem agiu sozinha ou teve a participação de outros colegas. Além disso, a equipe policial também investiga se a dose encontrada com ela foi a única que ela teria furtado ou se outras doses já foram levadas da unidade pela profissional de saúde.

“Esse caso da enfermeira, que estaria desviando vacinas do PAM de Neves, chegou ao novo conhecimento, através da detenção realizada pelos policiais do São Gonçalo Presente e as investigações estão se desdobrando para verificar tanto se ela já tinha subtraído alguma vacina nem momento anterior, bem como a participação de algum supervisou ou outra técnica de enfermagem, também na subtração”, explicou o delegado.

Luciana foi ouvida e autuada pela distrital. De acordo com o delegado, ela responderá em liberdade. A profissional afirmou que havia recebido autorização da supervisora do posto, que também vai ser ouvida por investigadores. As duas foram afastadas dos cargos. A supervisora estava com depoimento previsto para ontem, mas ele não compareceu à delegacia.

“Qualquer pessoa que esteja associada a ela, na prática, também responderá pelo crime de peculato, já que são funcionários públicos. No caso da técnica de enfermagem, ela era funcionária pública concursada e também responderá a procedimento administrativo para ser desvinculada da saúde municipal e vamos realizar uma série de oitivas para que possamos desdobrar essa investigação”, concluiu Macharet.

Secretaria de Saúde abriu procedimento

A Secretaria Municipal de Saúde de São Gonçalo afirmou que vai apurar o caso, e ressalta que a aplicação do imunizante representa um risco ao paciente que recebê-la, por conta do transporte e do armazenamento inadequados. Em nota, a prefeitura da cidade informou que determinou o imediato afastamento das profissionais envolvidas no incidente até a elucidação dos fatos. ”A Secretaria de Saúde vai abrir sindicância para apurar a conduta das servidoras, a profissional flagrada e sua supervisora, que poderão ser exoneradas. A Secretaria de Saúde esclarece que todos os procedimentos para controle das doses são adotados nos postos de vacinação, com numeração e contagem dos frascos no início e término dos trabalhos, para que não haja riscos de furtos”.

A secretaria acrescentou que o procedimento irregular adotado pela profissional flagrada “não é regra adotada nos postos. E que jamais orientou os profissionais a agirem de tal forma. A secretaria informa que o fato isolado não comprometeu o trabalho que vem sendo realizado pelos trabalhadores da saúde de São Gonçalo e nem impactou nas doses reservadas aos munícipes”. Também, através de nota, a Secretaria Municipal de Saúde frisou que a técnica de enfermagem juntava restos de vacina sobressalentes de cada frasco de imunizante. “Cada frasco possui uma pequena reserva de segurança, para garantir a quantidade correta a ser aplicada”.

O Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro (Coren-RJ) afirmou que “já está apurando junto à Secretaria de Saúde de São Gonçalo sobre o ocorrido. O Conselho irá ouvir a enfermeira responsável técnica e coordenadora da vacinação no PAM Neves, e também a referida técnica, a fim de verificar o caso. O Conselho realiza ato fiscalizatório, juntamente com os conselheiros que atuam no município de São Gonçalo, e procederá com os encaminhamentos ao Departamento de Ética do Coren-RJ”.

‘Vacina de vento’ em Niterói

Em fevereiro deste ano, a técnica de enfermagem Rozemary Gomes Pita foi indiciada por peculato, pela 76ª DP (Niterói), suspeita de desviar uma dose da vacina, que deveria ter sido aplicada em um idoso, no posto drive-thru da Uff, no Gragoatá, Região Central da cidade. No entanto, em vídeo gravado por familiares, a profissional não apertou o êmbolo da seringa, deixando de aplicar a dose. A profissional responde em liberdade pelo caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =