Suspeita de espalhar informes de falsas vagas de emprego seria servidora pública

Uma servidora pública, cuja identificação não foi fornecida por fontes policiais, seria suspeita de ter espalhado nas redes sociais uma falsa informação, atraindo na sexta-feira passada (16), para o Centro de Niterói, dezenas de pessoas em busca de supostas vagas de emprego que não existiam. A investigação sobre a divulgação do áudio que causou decepção, humilhação, e constrangimento, anunciando as vagas ficou à cargo da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) e a infratora, em caso de constatação, pode ser afastada das funções.

Sem adiantar os rumos do trabalho investigativo, na manhã dessa segunda-feira (19) a assessoria da Polícia Civil divulgou a seguinte nota: “De acordo com a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), foi instaurado inquérito para apurar o caso. Foi representada pela quebra de sigilo para identificar o responsável pelas redes sociais que divulgaram a informação falsa. A investigação está em andamento”. De acordo com os agentes, espalhar áudio de notícias falsas pelas redes sociais é crime. No caso da falsa oferta de vagas de emprego, a mensagem foi replicada, enganando diversas pessoas, que relataram vários transtornos.

“As pessoas que foram para aquela fila, tiveram seus direitos violados. O Estado teve seu direito violado. Outras pessoas que passem pela mesma situação, peço que procurem a delegacia especializada”, havia afirmado a subsecretária, de Emprego e Renda, Ana Asti. O órgão formalizou denúncia junto à Polícia Civil sobre a falsa notícia postada no WhatsApp, que levou muitas pessoas ao prédio do Sistema Nacional de Empregos (Sine-RJ), na Avenida Feliciano Sodré, no Centro de Niterói. A secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Relações Internacionais (SEDEERI) informou que, na noite desta quinta-feira (15), quando havia tomado conhecimento do boato sobre a inauguração de um novo posto do Sine em Niterói, publicou um alerta nas suas redes sociais, desmentindo o conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *