Suposta adulteração de combustível traz desconfiança a motoristas de Niterói

Geovanne Mendes –

Um mistério que ronda as bombas dos 100 postos de combustíveis de Niterói, em especial para quem abasteceu os veículos com gasolina nos últimos dias, deixou centenas de carros em pane mecânica em concessionárias pela cidade. Os motoristas fazem fila nas oficinas de lojas revendedoras de diversas marcas como Renault, Peugeot, Volkswagem, Honda, Hyundai entre outras, com o mesmo problema, motor carbonizado.

O alerta começou a ser exposto pelas redes sociais quando funcionários de grandes marcas relataram os problemas enfrentados no interior das oficinas e mais uma vez o assunto combustível adulterado voltou a ser tema de debates e dor de cabeça para motoristas, que em muitos casos não conseguem nem ligar o veículo, tendo uma espécie de apagão do motor. Nos áudios, os mecânicos denunciam postos de grandes bandeiras, criando um pânico em toda a população.

“Avisa aí que tem um monte de combustível adulterado rodando na rua, um monte de cabeçote já parado, só na Mitsubishi tem 30 carros parados com esse combustível adulterado. A gasolina está travando as válvulas. Toma cuidado, porque só na retífica aqui tenho uma pilha de cabeçotes danificados”, relata um mecânico em um dos áudios que viralizou pelas redes sociais.

O alerta veio também de outras marcas. Na Hyundai Caoa, por exemplo, a gravação de um mecânico alerta para o problema e, com fotos, mostra galões de gasolina adulterada retirada dos tanques de diversos carros ao longo do dia.

“O negócio é mais sério do que a gente imagina. Essa é uma epidemia. Tenho galões de gasolina aqui embaixo da minha bancada. Ontem recebemos doze carros, hoje logo pela manhã já estávamos recebendo mais dois carros. Não temos mais espaço para carros e estamos enviando para a nossa filial em Botafogo, no Rio de Janeiro”, relatou o mecânico.

“Desde a última sexta-feira (07) chegaram trinta e cinco carros no reboque e todos com o mesmo sintoma, motor não liga. Os primeiros carros que a gente testou o motor está sem compressão, então o diagnóstico é abertura de motor causado por combustível adulterado”, denuncia a mecânica de uma concessionária.

Para o especialista em Engenharia Mecânica, Abraão Ângelo, o motorista deve ter atenção na hora de abastecer o veículo, observar também os testes de qualidade do combustível que são realizados pelas marcas tradicionais.

“Aconselho colocar o combustível em postos tradicionalmente reconhecidos, pedir sempre a nota fiscal e desconfiar sempre de combustível barato. O motor quando abastecido com combustível adulterado apresentara mal funcionamento, podendo causar quebra de peças internas do motor. Pode ter um prejuízo de vulto normalmente dito como ‘bater o motor’”, esclarece o especialista.

O Sindestado-RJ, sindicato que representa dos donos de postos de combustíveis no Estado do Rio, oficiou nesta quarta-feira ao superintendente de fiscalização da ANP, Francisco Nelson, pedindo que a Agência Nacional do Petróleo apure o quanto antes as responsabilidades de uma crescente onda de comentários, nas redes sociais, dando conta de que dezenas de carros estariam enguiçando em Niterói nos últimos dias, devido a combustíveis adulterados.

“A nós, enquanto entidade Sindical, importa, e muito, que a situação seja inteiramente esclarecida o quanto antes”, comentou o presidente do Sindestado, Ricardo Lisbôa Vianna. “Queremos que a ANP apure até que ponto isto é verdade e, se for, quem são os responsáveis pelo problema. É uma questão de respeito, não só ao consumidor, mas a toda a categoria”, completou.

Por telefone, o gerente da Hyundai Caoa, Mário Lúcio, confirmou a veracidade das denúncias e esclareceu que o proprietário que tiver problemas causados pelo uso do combustível adulterado deve entrar em contato com o posto onde abasteceu, já que a garantia de fábrica não cobre esse tipo de dano ao veículo. A dica dada pelo gerente é que, ao abastecer, o motorista tenha sempre o hábito de pedir nota fiscal ao frentista, para que em casos de ressarcimento fique comprovado a origem do combustível.

“Tivemos algumas unidades aqui com esses problemas de mercado, apesar de desconhecer os áudios. Esse foi um problema causado por um agente externo e a fábrica por enquanto não se pronunciou sobre isso. O que sabemos é que essa responsabilidade é do posto junto ao cliente. O que orientamos é o pedido da nota fiscal”, concluiu o gerente.

A Petrobras Distribuidora informou que sua área técnica está em contato com concessionárias de Niterói e Região Metropolitana do Rio de Janeiro, verificando as informações veiculadas nas redes sociais. A companhia também enviou unidades móveis do programa de controle de qualidade “De Olho no Combustível” aos postos de sua bandeira em Niterói para realização de testes complementares.

A Ipiranga informou através de sua assessoria que preza pela qualidade dos produtos comercializados em seus postos e atua sempre em conformidade com as normas legais.

“A companhia atua com um rígido Programa de Controle de Qualidade dos Combustíveis e realiza periodicamente todos os testes e análises que são exigidos pelas normas do setor de distribuição.

A empresa está apurando a situação relatada e tomará as devidas providências, caso seja constatada qualquer inconsistência com os padrões da rede”, disse a nota.

Já a ANP informou por nota que desconhece qualquer surto de adulteração de combustíveis em Niterói. Suspeitas de irregularidades no mercado de combustíveis devem ser encaminhadas para o Centro de Relações com o Consumidor da ANP pelo 0800 970 0267.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *