Superação e qualidade de vida não tem idade

Raquel Morais –

Nunca é tarde para começar a cuidar da saúde, apesar de muita gente achar que é difícil dar o primeiro passo para essa mudança de vida. Controlar a alimentação, ter hábitos saudáveis e inserir uma rotina de exercícios físicos no dia a dia é um tripé fundamental para conseguir sair do sedentarismo e garantir qualidade de vida. E quando a nova rotina vem depois dos 40 anos? Niteroienses contaram suas experiências e motivações para garantirem a tão sonhada vida saudável.

A dentista Manon Teixeira Leite, de 53 anos, resolveu mudar seu estilo de vida aos 38 anos, quando decidiu parar de fumar. Os exercícios foram como uma válvula de escape para a niteroiense aliviar o estresse e a vontade de fumar.

“Sei que se colocar um cigarro na boca eu volto a fumar. Por isso não faço mais. Faço exercícios diariamente e me sinto muito bem. Faço todos os exames de saúde anualmente e todas as taxas estão boas e me sinto muito sadia. Tinha preocupação em engordar com menopausa e isso nem aconteceu, consegui manter meu corpo e minha mente equilibrados”, explicou.

A dentista contou também que ama viajar e correr.

“Rotineiramente não como gordura e dou preferência para legumes, carnes e ovos. Não como doces, nem em festa. Bebo vinho. Controlo minha alimentação. Busco uma alimentação saudável, sem exageros”, completou.

Quem também se preocupa com a alimentação, desde adolescente, é a secretaria Sandra Maria da Silva, de 60 anos. A moradora de Icaraí explicou que sempre manteve uma alimentação equilibrada e consciente, e ela consegue conciliar esse bom hábito com o exercício. Após os 40 anos começou a fazer musculação para se sentir mais disposta e, desde então, nunca mais parou. Pelo contrário, ela só aumentou a rotina das atividades e se divide também com o crossfit duas vezes por semana.

“Eu fiz uma aula experimental e amei. Sou tomada por uma energia tão boa, as pessoas se ajudam e todo mundo faz as aulas respeitando os próprios limites. Eu me sinto mais rígida, mais forte e com muito mais disposição”, contou.

Quem também teve esse ‘insight’ foi o professor universitário Cândido Duarte, de 42 anos, que há dois anos resolveu mudar sua vida. O episódio marcante foi a oscilação nos níveis de glicose no seu sangue e o medo do diabetes fez o educador procurar uma atividade física. Ele começou a treinar kickboxing e se encantou pela luta. A nova paixão já foi reconhecida no pódio e ele conquistou o vice-campeonato da 5ª Taça Guanabara de Kickboxing na modalidade kicklight, acima de 94 kg e acima de 41 anos.

“Além disso eu normalizei minhas taxas sanguíneas, eliminei 20 quilos e ainda ganhei uma qualidade de vida que não tinha desde os 20 anos de idade”, contou o aluno dos professores Mena Bernardo e Ricardo Lisboa, da Niterói Fight House, em Piratininga, na Região Oceânica.

PROFISSIONAIS
Quem está na busca pela mudança de vida precisa de foco, força e, é claro, profissionais capacitados que deixam esse momento mais leve. A troca de experiências entre o coaching em Cross Fit Thiago Taveira, de 31 anos, e os alunos é fundamental para um conforto nessa mudança de vida.

“A mesma necessidade que um adolescente tem em fazer atividades, um adulto e um idoso tem igual. O que muda é a intensidade da atividade. Nós criamos indivíduos que tenham uma longevidade maior, com menos medo e mais condicionamento. Nunca é tarde para fazer atividade física e é necessário mudar o hábito o quanto antes”, frisou.

E como atividade e alimentação saudável andam de mãos dadas, a nutricionista Sabina Donadelli deu algumas dicas para ajudar o metabolismo. Ela explicou que, ao passar dos anos, a atividade metabólica tende a diminuir, fazendo com que o corpo gaste menos energia e demore mais para eliminar sua gordura. Ainda que seja um processo natural, é possível criar hábitos que equilibrem esse cenário e até reverta essa situação.

“Quanto mais jovem, com mais facilidade se perde peso porque o organismo assimila com mais rapidez a mudança. Mas no geral, independentemente de idade, optar por uma alimentação saudável vai privilegiar o tipo de cada pessoa. Antes de mais nada, é preciso pensar no tipo de alimentação que uma pessoa adota dentro do seu estilo de vida e estar em paz e satisfeito com as suas decisões neste sentido. Tudo é questão de adaptação e o primeiro passo começa na cabeça, em decisão pessoal e de amor próprio”, ressaltou Donadelli.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 2 =