Sucessão na “hierarquia” do crime pode provocar guerra de bandidos

As mortes de Luis Fernando Rodrigues de Souza, o Nando do Anaia, e Rodrigo Jaccoud, o Robozinho, em confrontos ocorridos com a polícia num intervalo de três dias pode desencadear uma violenta disputa entre bandidos na sucessão dessas lideranças do crime, em vários bairros de São Gonçalo. Nando do Anaia, acusado de liderar quadrilhas de roubos de cargas, além de tráfico, e envolvimento em homicídios, morreu no fim da tarde de segunda-feira (08), em confronto com PMs do 7º Batalhão (São Gonçalo), e Robozinho – acusado de tráfico e homicídios – morreu no sábado passado (dias 6), ao tentar enfrentar a tiros uma equipe da Divisão de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG), em Jaconé, na Região dos Lagos. Até o início da tarde desta terça (09), segundo a polícia não havia informes sobre ordens para fechamento de comércio, o chamado “luto forçado” pela morte dos criminosos.

Além de Nando do Anaia, também morreram no confronto de segunda-feira, no bairro Lagoinha, em São Gonçalo, outros dois líderes do tráfico, Anderson da Cruz Santos, o Mariola, oriundo do Salgueiro, homem de confiança de Thomaz Jhayson Vieira Gomes, o 2N, que comanda a venda de drogas do Salgueiro. Este último teria envolvimento com ataques e roubos de caixas eletrônicos, com uso de explosivos. O terceiro criminoso que levou a pior no confronto com o 7º BPM era conhecido como Canário, lider dos pontos de venda de drogas na localidade de Monte Formoso, em São Gonçalo.

Nando do Anaia era ligado a facção criminosa Comando Vermelho (CV), e já havia exercido a segurança do também traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, também morto em confronto no Complexo do Salgueiro, em 2016. Outros dois feridos no confronto foram encaminhados para o Hospital Estadual Alberto Torres (Heat). A Polícia apontava Nando como o mandante da guerra pelo controle da venda de drogas no Morro da Caixa D’água, no Vila Três, e no Jardim Miriambi. O conflito fez pelo menos seis vítimas fatais. Entre as vítimas da disputa territorial na região está a representante comercial Eliana Guerreiro Mascarenhas, 60. Ela e o marido, o advogado Roberto dos Santos Melandre, 56, tiveram o carro atingido por quase 40 tiros de fuzil no final de agosto, no Amendoeira.

Para informações que resultassem na prisão de Nando havia recompensa fixada em R$ 2 mil. Fontes policiais adiantaram que as mortes desses traficantes podem ser avaliadas de duas formas. Se por um lado podem resultar na diminuição nos índices de crimes como roubos de cargas, de caixas eletrônicos, e de roubos de transeuntes, por outros, pode desencadear uma violenta disputa entre bandidos para sucedê-los na hierarquia do crime, onde pessoas inocentes podem ser vitimadas. Por isso o policiamento deve ser intensificado nas regiões onde esses mesmo criminosos eram oriundos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − quatro =