Sintronac esclarece boatos de greve em viação de São Gonçalo

Na manhã desta segunda-feira (1), diretores do Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac), fizeram uma fiscalização na garagem da Viação Galo Branco, em São Gonçalo, e flagraram um grupo de militantes de partidos políticos, tentando incitar uma paralisação dos ônibus da empresa.

Na semana passada, em alguns grupos de facebook, começou a circular a notícia de que os rodoviários fariam uma paralisação total. De acordo com o comunicado, os motoristas não estão satisfeitos com o tratamento que estão recebendo na empresa.

O Sindicato disse em nota que “condena esse tipo de atitude, que não está amparada pela legislação trabalhista e tampouco reflete a vontade da categoria, pois não está respaldada por assembleia dos trabalhadores, além de poder levar a enorme prejuízo à população”.

Desde a semana passada, o Sintronac tem recebido informações sobre boatos de uma greve na Galo Branco, disseminados de forma anônima para órgãos públicos e para a imprensa. Essa tentativa foi, hoje, frustrada pelos próprios rodoviários, que saíram normalmente com seus ônibus da garagem da Viação Galo Branco.

“O Sintronac reitera que está de portas abertas para todos os rodoviários, que estejam sofrendo qualquer tipo de problema, tanto em relação às empresas, quanto às pressões por parte de grupos com interesses políticos, cuja ação está muito distante das verdadeiras causas da categoria”, explicou Rubens dos Santos Oliveira, presidente do Sintronac.

De cordo com o Sintronac, o Departamento Jurídico do sindicato está estudando o encaminhamento que será dado à questão, uma vez que a atuação desses grupos entre os trabalhadores, em estímulo a movimentos sem o aval dos rodoviários, viola de forma ampla a legislação brasileira, com implicações trabalhistas e mesmo na esfera criminal.

O que ocorreu na Galo Branco não foi a primeira tentativa de um movimento paredista no setor rodoviário, que terminou frustrada pela própria categoria, pois os trabalhadores recebem informações precisas e constantes do Sintronac da real situação que estamos vivenciando.

“Ressaltamos que o direito de greve deve ser utilizado quando esboça a vontade da categoria e o sindicato o conduz de forma a dar legalidade ao movimento, não sendo admissível que forasteiros utilizem essa prerrogativa para auferir vantagens sem qualquer responsabilidade”, encerrou Rubens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − dez =