Sindicatos se unem para evitar retorno das aulas presenciais

A Diretoria do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro, núcleo Niterói, divulgou um edital de convocação para assembleia no dia 22 de março às 18h de forma online. O encontro virtual, entre os profissionais da rede municipal, será para discutir sobre a possibilidade de retomar a ‘Greve pela Vida’, movimento que foi realizado no início desse ano em outros municípios, como São Gonçalo, Maricá e Itaboraí, onde os profissionais da educação chamam atenção dos perigos de contaminação no caso do retorno presencial das aulas.

De acordo com a publicação, a convocação se impõe em virtude da recusa de negociação e da intenção da municipalidade em convocar profissionais de educação para trabalho presencial no auge da pandemia da Covid-19. Haverá uma votação online para a proposta de deflagração ou não de greve em defesa da vida, oportunidade em que deverão encaminhar cópia e dados dos seguintes documentos: RG ou documento oficial com foto, CPF e contracheque.

Em São Gonçalo o medo da contaminação entre funcionários das escolas e os alunos também fez o Sepe-SG se posicionar contra a reabertura das escolas. A ‘Greve pela Vida’ foi iniciada em janeiro e encerrada no último dia 15. A diretora Maria do Nascimento lamentou o término.

“A Prefeitura entrou na Justiça contra a greve e fomos intimados a comparecer no TJ para uma audiência de conciliação. Fizemos a nossa defesa e entregamos alguns documentos e provas que foram anexadas ao processo. O que ficou resolvido é que nossa proposta não foi aceita e foi sugerido o retorno presencial dia 22, mediante algumas condições”, contou Maria.

O pedido da categoria se resumiu ao respeito aos protocolos, uso obrigatório de máscara, álcool em gel, tapete sanitizante, distanciamento social e sala com circulação de ar.

O mesmo acontece com o Sepe Itaboraí que denuncia a situação de algumas escolas que sofrem com falta de estrutura básica.

“Precisamos de uma revisão total das unidades escolares para realizar as reformas e melhorias necessárias enquanto estamos em fase de vacinação para que, após a população seja imunizada, consigamos voltar às aulas presenciais com respeito e dignidade”, informou o órgão.

Já em Maricá o Sepe informou que considera as medidas de restrição insuficientes para conter o quadro que se aproxima, visto que contrariam as recomendações das principais instituições científicas do país, que sugerem lockdown mais amplo para evitar o colapso do sistema de saúde. Ainda conforme o texto a instituição continuará firme pelo fechamento total das escolas públicas e privadas e pela garantia de que as aulas presenciais só sejam retomadas após toda a população ser vacinada.

NITERÓI – A Prefeitura de Niterói informou que a Secretaria Municipal de Educação e a Secretaria Municipal de Saúde analisam a situação da pandemia no município e no entorno, de forma responsável e contínua, para avaliar as condições de retorno às aulas na rede municipal. Desde o início do ano, a Secretaria Municipal de Educação e Fundação Municipal de Educação preparam a volta às aulas em dois cenários: a implementação do ensino híbrido (presencial + on-line) ou a manutenção do ensino remoto. A decisão do formato a ser adotado será tomada nos próximos dias, com base na ciência e no respeito à saúde de alunos, profissionais de educação e familiares. O plano de reabertura das escolas será divulgado, em detalhes, caso seja decidido o retorno híbrido. As escolas municipais de Niterói estão passando por obras de reforma e manutenção e vão receber um mutirão de limpeza e sanitização

SÃO GONÇALO – O sistema híbrido teve início no dia 8 de março com o retorno de cerca de 36 mil alunos da rede municipal de ensino de São Gonçalo ao ambiente escolar. Segundo nota as aulas estão sendo realizadas em revezamento de grupos, dividindo 50% dos estudantes em cada modelo de ensino, presencial e remoto, de acordo com a capacidade do espaço físico e a realidade de cada unidade. Já os que optaram, na avaliação diagnóstica, por seguir no sistema remoto, seguem na mesma dinâmica.

MARICÁ – A Prefeitura de Maricá esclareceu que o retorno às aulas presenciais na rede municipal de ensino, que tinha data indicativa de 5 de abril, continua suspenso, conforme Decreto Municipal publicado no Jornal Oficial do Município (JOM) de quarta-feira (17), que estabeleceu novas medidas de combate ao coronavírus. O retorno só acontecerá após a avaliação dos indicadores do comportamento da pandemia na cidade pelo Gabinete de Ação.

A Prefeitura de Itaboraí não se manifestou sobre o assunto.

Raquel Morais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 5 =