Serra do Sambê: Rio Bonito no Circuito Brasileiro de Trilhas

A cidade de Rio Bonito possui uma área de 463,32 km² e pertence a Região Metropolitana, especificamente na Microrregião de Macacu-Caceribu, que também inclui o município de Cachoeiras de Macacu. Não tem praias, mas, em compensação, está dentro de belíssima área verde com cachoeiras e quedas que chamam atenção do visitante.

Tudo isso dá a Rio Bonito um aspecto interiorano que tem atraído muitos visitantes. Entre os atrativos naturais destaque para cordilheira de montanhas que formam a Serra do Sambê, um conjunto de cumes, picos, mirantes com dezenas de trilhas cortadas por cachoeiras e a conhecida rampa de voo livre, distante 4,5 km do Centro da cidade a 630 metros acima do nível do mar.

Em outubro do ano passado, Rio Bonito passou a figurar no Circuito Brasileiro de Trilhas, iniciativa da Prefeitura para pode implantar a sinalização turística que oriente o visitante. As suas principais trilhas ligam as localidades Braçanã, Cachoeira dos Bagres, Serra do Sambê, Bela Vista e Lavras; onde um percurso de longo curso está sendo criado pelo Rio Bonito Convention &Visitors Bureau (RBC&VB), a associação turística do município.

Rampa de Voo Livre é principal ponto do conjunto montanhoso de Rio Bonito

“O município deve ser explorado. A iniciativa privada e o poder público deveriam valorizar e explorar mais a cidade. A pandemia, se podemos falar que teve algo de bom, ajudou muito as pessoas a explorarem a Serra do Sambê. Foram muitas caminhadas e pedaladas feitas pelos rio bonitenses, que começara a explorar o ‘quintal de casa’, cheio de possibilidades”, contou Flávio Azevedo, que é um dos integrantes da diretoria do RBC&VB e atua como condutor de visitantes no município.

Em todas essas localidades, inseridas na Cordilheira de Montanhas da Serra do Sambê, o visitante pode se deliciar com cachoeiras e quedas de águas límpidas. Destaque para o Salto D’Água de Braçanã, Poço das Andorinhas, em Lavras; e as cachoeiras do Sítio Encantos da Serra. A vegetação predominante é da Mata Atlântica, com milhares de árvores frutíferas nas propriedades rurais que também são cortadas pelas trilhas. Aves, insetos e animais silvestres podem ser vistos em qualquer trajeto escolhido.

Flávio explicou ainda que a Serra do Sambê faz parte de área de preservação do município. Destaque para o Parque da Caixa D’água, área de 32 mil m², distante 5 min de caminhada do Centro do município. Outro destaque é a rampa de Voo Livre, distante 4,5 km do Centro, atualmente o principal ponto de visitação por ser também um dos principais mirantes de Rio Bonito. Do alto dos seus 630 metros é possível ver toda Região, boa parte da Região dos Lagos, as serras de Nova Friburgo e do Mar.

Curiosidade

A Trilha dos Italianos, ficou conhecida após em 13 de janeiro de 1939 com a queda do hidroavião Marimbá. A aeronave bateu em um dos cumes da Serra do Sambê e tinha saído de Vitória com destino ao Rio de Janeiro. Morreram 10 pessoas, sendo cinco passageiros e cinco tripulantes. Entre eles uma criança. “Nesse local existia uma comunidade de italianos que moram na cidade. Esse morro fica oito quilômetros do Centro da Cidade. Um outro explorador ainda vai ao local em busca de um suposto tesouro que estaria dentro do avião. Mas encontra-se sinais e ruínas dessa comunidade até os dias de hoje”, finalizou Flávio.

Raquel Morais

Fotos:  Flávio Azevedo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.