Sem conservação, IML do Barreto tem funcionamento ameaçado

Raquel Morais –

Alguns problemas estruturais no Instituto Médico Legal Afrânio Peixoto do Barreto, na Zona Norte de Niterói, deixa o clima ainda mais pesado no local. Banheiros interditados, vazamentos e fiação exposta são alguns pontos que precisam de reparo nessa unidade. Muitas pessoas vão ao local reconhecer a identidade de pessoas falecidas e também para o exame de corpo de delito, em caso de registros civis, e reclamam das péssimas condições do espaço.

Do lado de fora os problemas são muitos. O mato alto atrai mosquitos e acumula lixo, duas placas de mármore estão caídas no chão e as ferragens de proteção e apoio da escada estão quebradas em diversos pontos. Já internamente um banheiro está interditado, a pia do banheiro de deficientes está sem encanamento e a água para lavar as mãos cai no chão, uma tampa com fiação exposta está oferecendo risco para as pessoas, além de não ter funcionário na recepção, o que é explicado através de um bilhete.

Parente de uma pessoa desaparecida esteve na unidade na última terça-feira e ressaltou os problemas. “Estamos em uma situação péssima. No meu caso procurando um parente desaparecido, mas tem gente que tem que fazer exames. E não podemos usar um banheiro dignamente, podemos levar um choque, é uma mosquitada incomodando o tempo todo. Está péssimo o IML do Barreto”, comentou uma jovem que não quis se identificar.

Vale lembrar que o IML do Barreto foi reaberto há apenas quatro anos, em setembro de 2013, mesmo depois de o prédio ter sido inaugurado oficialmente em 2011. Questionada sobre os problemas apresentados pela equipe de reportagem de A TRIBUNA, a Polícia Civil do Rio de Janeiro não se manifestou até o fechamento dessa edição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + 14 =