Segurança será estudada para cada bloco de carnaval

Geovanne Mendes

Com um caminhão de som, marchinhas irreverentes e foliões pra lá de especiais o bloco “Loucos pela Vida” fez a alegria de quem passava em frente as barcas no Centro da cidade. O bloco já é conhecido da população niteroiense e esta foi a 15ª edição do evento que contou com a participação de centenas de pessoas. O “Loucos pela Vida” é promovido pelo Centro de Convivência Oficinas Integradas.

“Estamos muito felizes com mais um ano do nosso bloco, que sempre tem como estrela os nossos pacientes. O objetivo deste evento que ocorre sempre duas semanas antes do carnaval é trazer luz à estas pessoas e mostrá-las para a sociedade. Aqui temos pacientes dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), ambulatório de Saúde Mental, do Hospital Psiquiátrico de Jurujuba outras instituições que fazem parte da rede municipal de saúde mental”, comentou o coordenador do bloco.

Fã de carteirinha de blocos de carnaval, a estudante universitária Beatriz Correia, que passava pelo local, diz que a alegria deste bloco não deixa a desejar a nenhum outro.

“Muito feliz em estar aqui, mesmo que sem querer, pois saía das barcas e fui surpreendida por essa linda festa. Sem dúvida esse bloco não perde pra nenhum outro”.

Esquema de segurança

Foi realizada ontem na Cidade da Ordem de Niterói, no Barreto, uma reunião para discutir esquemas de segurança para os dias de folia. Estiveram presentes representantes da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Guarda Municipal. O objetivo é garantir a ordem na cidade durante a passagem de blocos carnavalescos nos próximos dias.

Depois de horas a portas fechadas, diretrizes foram discutidas para que não se repita o que aconteceu na semana passada, quando mais de 15 mil pessoas foram às ruas atrás do bloco “Vou Zuar”, na Boa Viagem. Na ocasião, centenas de pessoas relataram roubos e furtos de celulares, carteiras e brigas entre os foliões.

De acordo com o comandante da Guarda de Niterói, coronel Gilson Chagas, o esquema de segurança se dará de forma planejada e com ações específicas para cada bloco, já que as autoridades de segurança se reunirão todas as terças-feiras para traçar planos de acordo com os perfis dos blocos. Também foi acordado que qualquer desfile não poderá ultrapassar cinco horas de duração.

“Faremos uma varredura nos foliões para identificar e recolher garrafas de vidro, facas e outros objetos cortantes e perfurantes que possam servir de arma durante uma briga. Na semana passada recolhemos 120 garrafas de vidro”, ressaltou Chagas.

Folia não para
Nesse final de semana quatro blocos vão agitar os foliões. No sábado, às 8h, terá Que se chama amor, em São Francisco, e Bloco Mancando de Ré, às 15h, em Santa Rosa. No domingo será vez do bloco Sosseguei + Samba dos Amigos às 9h, em Icaraí, e do Nosso Santo Bateu, às 10h, na Boa Viagem.

O Que se chama amor terá concentração na Avenida Quintino Bocaiúva e o Mancando de Ré sairá da Rua Américo Oberlaender e seguirá desfilando pelas ruas Miguel Couto, Geraldo Martins, Cinco de Julho, Santa Rosa, retornando ao ponto inicial.

No domingo o bloco Nosso Santo Bateu terá concentração na Praça Dr. Everardo Marques dos Santos e desfilará pela Avenida General Milton Tavares de Souza até a praça Duque de Caxias. O bloco Sosseguei + Samba dos Amigos terá ponto de encontro na Rua Mem de Sá e seguirá pela Lopes Trovão, até a Rua Geraldo Martins, em Icaraí.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =