São Gonçalo quer fatia maior dos PMs

Augusto Aguiar –

A decisão de remanejar cerca de 550 policiais de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) para os municípios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí está gerando expectativa na população e autoridades da área de seguranças nas três cidades. Até ontem não havia data nem quantidade de militares designados para reforçar o patrulhamento em cada um desses municípios.

“Segundo o próprio secretário de Segurança do Rio (Roberto Sá), o prazo para concretização das transferências é de 30 dias. O comando da corporação ainda vai definir o efetivo que será transferido para Niterói”, afirmou o subcomandante do 12º BPM (Niterói), tenente-coronel Fábio Marçal. Em palestra na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-Niterói), na noite de quarta-feira, Roberto Sá não fez qualquer comentário sobre o assunto.

Com objetivo de buscar atrair o envio do maior número de policiais militares desses 550 remanejados de UPPs, a Câmara Municipal de São Gonçalo revelou que na próxima semana deve enviar representantes ligados à Comissão de Segurança Pública para se reunir com o governador Luiz Fernando Pezão e formalizar essa solicitação. “São Gonçalo tem cerca de 1,3 milhão de habitantes, 92 bairros e um batalhão com aproximadamente 900 policiais. Não temos nada contra as cidades de Itaboraí e Niterói, que também sofrem com a violência, mas nada mais justo em direcionar estes novos policiais para as cidades de acordo com a sua população, geografia e índices de violência”, alegou o prefeito José Luiz Nanci.

O vereador Alexandre Gomes aprovou a medida do Governo do Estado sobre o deslocamento do reforço policial para os três municípios da Região Metropolitana, porém apoia que no número de agentes deslocados sejam levados em consideração os índices de violência das regiões e a população.

“Não temos nada contra as cidades vizinhas, mas o Governo do Estado precisa ver que temos uma população e uma área geográfica muito maior. Tirando os policiais de férias, folgas e em tratamento médico, São Gonçalo conta hoje com cerca de 600 homens para percorrer toda a cidade. Isso é um absurdo. É humanamente impossível conseguir garantir Segurança Pública para todos. É impossível traçar uma estratégia contra o crime organizado. Vamos conversar com o governador Pezão e levar esta proposta”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + seis =