São Gonçalo apresenta o maior índice de furto de energia na área de concessão da Enel

A Enel Distribuição Rio fechou o ranking dos municípios atendidos pela distribuidora com os maiores índices de furto de energia no primeiro semestre de 2021. São Gonçalo lidera a lista, com índice de 39,9% de perdas de energia. Isso significa que, de toda energia distribuída pela companhia na cidade, cerca de 40% é perdida – a maior parte devido ao furto de energia, também conhecido como “gato”. Duque de Caxias vem na sequência, com índice de 32,5%, e Itaboraí ocupa a terceira posição, com 32,3%, seguidas pelas cidades de Magé (30,8%) e Araruama (28%), respectivamente.  

A companhia tem intensificado cada vez mais o combate ao furto de energia. No primeiro semestre desse ano, a distribuidora realizou 152 mil inspeções em sua área de concessão, crescimento de 13% na comparação com as 134 mil inspeções realizadas no primeiro semestre de 2020. 

Como fruto desse trabalho, levantamento interno aponta que a companhia identificou 80 mil irregularidades entre janeiro e junho de 2021, um aumento de 111% em relação às 38 mil fraudes encontradas no mesmo período do ano passado. Com isso, a Enel Distribuição Rio conseguiu recuperar 234 milhões de kWh de energia furtada, o que representa uma expansão de 67% frente aos 140 milhões de kWh de volume de energia recuperado pela concessionária no primeiro semestre de 2020. O volume de energia recuperado pela distribuidora no primeiro semestre de 2021 seria suficiente para abastecer aproximadamente 130 mil residências por um ano com consumo médio mensal de 150/kWh.  

“A Enel Distribuição Rio vem intensificando nos últimos anos a fiscalização contra fraudes e furtos em todos os seus municípios da área de concessão. Esse tipo de ação contribui para a melhora da qualidade do serviço e para a segurança da população”, afirma Marcio Luis de Souza, responsável pela área de Operações Comerciais da Enel Rio. 

A distribuidora também realiza constantemente ações de combate ao furto de energia em parceria com a Polícia Civil. No primeiro semestre deste ano, a empresa realizou 564 operações que resultaram em 73 pessoas detidas em flagrante, sendo 51% de clientes comerciais e 49% de residenciais. 

A concessionária alerta que fraudes e furtos são crimes previstos no Código Penal, e a pena pode variar de um a oito anos de detenção. Além disso, a distribuidora também cobra os valores retroativos referentes ao período em que ocorreu a irregularidade, acrescida de multa, dos fraudadores. Cometem crime tanto as pessoas que executam fisicamente a fraude nas instalações quanto os titulares das contas de energia. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × um =