São Gonçalo ainda contabiliza prejuízos com a chuva

O reflexo do temporal que assolou o município de São Gonçalo no último final de semana ainda assustou gonçalenses que passaram pelos pontos mais críticos da cidade. Um enorme buraco se abriu no viaduto de Alcântara, parte de uma passarela na BR 101 despencou na altura do Boa Vista, uma rua está interditada após abrir uma cratera no Colubandê e o corpo do homem que desapareceu após seu veículo ter sido arrastado pela força da água, apareceu no Boaçu.

O repositor Cartlos Hnerique Rodrigues, 52 anos, estava de carona dentro de um veículo de um amigo quando o carro foi arrastado durante o temporal e caiu no Rio Imboaçu, no Jardim Califórnia. Infelizmente ele não conseguiu se segurar, como o amigo fez, e foi levado pela correnteza. O corpo do homem foi encontrado perto da garagem da empresa de ônibus da Mauá. No viaduto de Alcântara, na altura do prédio do relógio, um buraco enorme abriu na pista sentido Niterói, prejudicando o tráfego.

No dia 27, sábado, na Rua Maurício Rachid, no Colubandê, uma enorme cratera se abriu com a ação da chuva. O enorme buraco engoliu alguns postes, destruiu quase toda a rua e ainda deixou duas casas interditadas pela Defesa Civil. O aposentado Geneci Alves, 68 anos, é dono de um desses imóveis e estava muito triste com o ocorrido. “Eu fui na Prefeitura de São Gonçalo há 20 dias e informei que uma enorme rachadura estava abrindo na rua. Ninguém fez nada e o resultado está aí”, comentou o morador do bairro há 50 anos.

Ainda no sábado parte da passarela na altura do KM 315 da BR-101, no bairro Boavista, despencou. A passagem de pedestres foi totalmente interditada e a possível causa para o incidente teria sido a chuva, com provável deslizamento do solo. A Autopista Fluminense informou que houve uma queda de um segmento de 12m da rampa de acesso da passarela de pedestres do km 314 sul, pista sentido Niterói, no dia 27 de janeiro, por conta de uma desestabilização na fundação de um dos pilares ocasionada pela infiltração de água e agravada pela forte precipitação do último sábado (27). Não houve feridos e o local foi prontamente isolado. A concessionária vai reforçar a comunicação no local e ressalta que por se tratar de uma passarela com estrutura modular, o sinistro foi pontual e não foram identificados outros pontos de riscos de queda na estrutura. Uma equipe de técnica da concessionária já iniciou uma nova verificação no solo para identificar qual o reparo será feito visando garantir a estabilidade do pilar e o posterior reposicionamento da rampa da passarela. Visando retomar a utilização da estrutura de forma emergencial para o atendimento aos moradores da região, a concessionária informa que já iniciou a contratação de uma empresa para instalar uma escada provisória para o acesso de pedestres a passarela, que deverá ocorrer nos próximos dias.

A Defesa Civil de São Gonçalo informou que o município chegou a atingir a marca de 134 milímetros de água. Foram registradas 28 ocorrências de vários tipos, como quedas de árvores, alagamentos, situações com necessidade de avaliação estrutural, quedas de barreira e deslizamento de terra. Em Monjolos, a queda de um muro também afetou imóveis em um condomínio. Inundações foram registradas em toda a cidade. Os bairros mais atingidos foram Porto do Rosa, Boassu, Jardim Catarina, Colubandê, Monjolos, Vila Três, Jardim Califórnia, Marambaia, Monjolos, Vista Alegre, Mundel, Trindade, Porto da Pedra, Lagoinha e Jardim Bom Retiro.

Prevenção – O que aconteceu não é incomum em São Gonçalo. Todo início de ano, o município sofre com fortes chuvas. A TRIBUNA questionou a prefeitura sobre o que tem sido feito para evitar os constantes alagamentos. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano respondeu que tem realizado ações constantes na cidade, incluindo limpeza de caixas de passagem, troca de manilhas, além de desassoreamento de córregos e rios, cuja responsabilidade é do Inea. Bairros que, historicamente, enfrentam este tipo de problema receberam as ações, como Neves, Vila Lage, Porto Novo, Lindo Parque, Mutuá, Boa Vista, entre outros. O órgão irá manter as intervenções de combate às enchentes ao longo de todo o verão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =