Samba de luto: morre Nelson Sargento

Aos 96 anos o sambista Nelson Sargento morreu na manhã dessa quinta-feira (27), mais uma vítima da Covid-19 no Rio de Janeiro. O presidente de honra da Mangueira foi internado na última sexta-feira (21) no Instituto Nacional de Câncer (Inca) e chegou a ser intubado mas não resistiu à gravidade da doença.

Nelson Sargento estava vacinado contra a Covid-19 e mesmo assim não venceu a luta contra a doença. Por ter um histórico de paciente oncológico o compositor estava sendo tratado no Instituto, onde fez seu tratamento no passado por conta de um câncer de próstata.

Ele foi um dos primeiros a receber o imunizante, por causa da idade avançada, e a primeira dose foi aplicada em uma cerimônia no Palácio da Cidade. No final de fevereiro o baluarte da Estação Primeira de Mangueira recebeu a segunda dose da vacina contra a Covid-19 em sua própria casa. Após a imunização Nelson Sargento chegou a cantar alguns trechos do samba “Agoniza mas não morre”: “Samba, agoniza mas não morre, alguém sempre te socorre, antes do suspiro derradeiro”.

HISTÓRIA
Nelson Mattos, conhecido como Nelson Sargento, nasceu em 25 de julho de 1924. É compositor, cantor, pesquisador da música popular brasileira, artista plástico, ator e escritor, conheceu o samba aos 10 anos no morro do Salgueiro, desfilando e tocando tamborim na “Azul e Branco”. Aos 12 anos, junto com sua mãe, mudou-se para o morro da Mangueira, a convite de Alfredo Português, que era um excelente letrista, um português que compunha sambas e que descobriu o talento de Nelson Sargento. Da dupla, surgiu a primeira composição de Nelson, em 1955, o samba enredo “Primavera”, também conhecido como “As Quatro Estações do Ano”, considerado um dos mais belos de todos os tempos. Desde então, Nelson Sargento milita pelo samba. Integrou o conjunto A Voz do Morro, ao lado de Paulinho da Viola, Zé Kéti, Elton Medeiros, Jair do Cavaquinho, José da Cruz e Anescarzinho. Entre seus parceiros de composição musical, estão Cartola, Carlos Cachaça, Darcy da Mangueira, João de Aquino, Pedro Amorim, Daniel Gonzaga e Rô Fonseca. Nelson Sargento compôs mais de 400 músicas. Autor dos livros “Prisioneiro do Mundo” e “Um Certo Geraldo Pereira”, Nelson também atuou em vários filmes e é ilustre torcedor do Vasco da Gama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × três =