Saiba como funciona os indicadores da prefeitura de Niterói para avaliar a pandemia

A prefeitura de Niterói divulgou neste sábado (10) que, após as duas semanas com medidas mais restritivas de funcionamento do comércio na cidade, os indicadores síntese que avaliam as condições sanitárias da apresentaram uma leve queda e que a projeção para a próxima semana é que o índice caia ainda mais.

Na live realizada pelas redes sociais da prefeitura de Niterói na noite desta sexta-feira (9), o prefeito Axel Grael já havia adiantado que após um pico de 12,88 de toda série histórica do indicador síntese – ocorrido no dia 5 de abril – ocorreu uma queda para 11 pontos com as duas semanas de isolamento nesta sexta-feira (9). Durante a transmissão, o prefeito mostrou um gráfico e atribuiu a melhora às restrições adotadas nas duas últimas semanas. “Os resultados estão começando a aparecer, mas é um momento de muito cuidado para não botarmos tudo a perder”, afirmou.

A cautela do chefe do executivo se deve ao fato de que, apesar de ser uma boa notícia, o indicador síntese na casa dos 11 pontos ainda mantém o município na categoria de Atenção Máxima, na Bandeira Laranja. Em nota divulgada pelas redes sociais, a prefeitura afirma que “é fundamental que todos tenham muita responsabilidade e zelo pela própria vida e pela vida de quem ama nesse momento. Respeitem as medidas sanitárias e usem máscaras”, diz trecho.

Nas últimas semanas, o Brasil entrou no pior cenário desde o início da pandemia, com recordes de óbitos e sistemas de saúde entrando em colapso em todos os estados. O secretário municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira, vem afirmando frequentemente que esse avanço da pandemia atinge diretamente a cidade de Niterói por se encontrar na segunda maior região metropolitana do país. Além disso, a existência da variante de Manaus na cidade, a P.1, aumenta a necessidade de internação entre os infectados.

Como funcionam os indicadores?

Os indicadores sínteses utilizados pela prefeitura abrangem, ao todo, 12 pontos que são avaliados semanalmente por especialistas. Esses dados são importantes para identificar e intensificar as medidas de restrição com antecedência, evitando cenários de maior crise.

Os panoramas monitorados são: taxa de crescimento de novos casos; taxa de crescimento de pacientes internados nas enfermarias da rede pública e da rede privada; taxa de crescimento de pacientes internados em leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) da rede pública e da rede privada; taxa de recuperados; número de leitos disponíveis de enfermaria e de UTI das redes públicas e privada, e taxa de mortalidade. A conta é feita sobre a proporcionalidade de 100 mil habitantes, tendo cada um dos indicadores um peso específico para sua classificação.

Os números vão indicar em que bandeira cada indicador da cidade se encontra, que podem ser: Branca (Alerta), entre 0 e 0,9 pontos; Amarela (Alerta Máximo), entre 1 e 1,4; Laranja (Atenção Máxima), entre 1,5 e 1,9; Vermelha (Grave), entre 2 e 2,9; e Roxa (Altíssimo Risco), acima de 3. A soma dos pontos de cada indicador revela a situação geral que se contra a cidade.

A classificação geral segue o mesmo escalonamento das bandeiras, mas a pontuação é formada pelas somas das pontuações de cada um dos 12 indicadores. Desta forma temos as seguintes bandeiras: Branca (Alerta), entre 0 e 5 pontos; Amarela (Alerta Máximo), entre 5,01 e 10; Laranja (Atenção Máxima), entre 10,1 e 15; Vermelha (Grave), entre 15, 1 e 20; e Roxa (Altíssimo Risco), acima de 20 pontos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − 2 =