Roubos de carga e veículos são os focos da segurança em 2018

Augusto Aguiar –

Os crimes de roubos de veículos e de carga serão dois dos principais focos do combate à violência em Niterói em 2018. As duas modalidades de crimes vem se tornando os principais desafios das polícias Civil e Militar na cidade. Os índices de roubos de veículo preocupam há mais tempo (talvez nos últimos três anos). No último trimestre, computado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) – setembro, outubro, e novembro desse ano – Niterói registrou 634 casos de roubos de veículos, crescimento de 24,07 % em relação ao mesmo período do ano passado, que apontou 511 registros.

Com relação ao crescimento dos índices de roubos de carga, o desafio é mais recente. No ano passado, foram registrados 17 casos na cidade entre setembro e novembro, contra 40 no mesmo período desse ano, aumento na incidência de 135,29%.

As formas de mobilização para o combate dessas e outras modalidades de crimes estão sendo programadas para as primeiras reuniões agendadas para o próximo ano do Conselho Comunitário de Segurança de Niterói, com a presença de representantes de todos os órgãos de segurança da cidade. De acordo com o presidente do CCSN, Leandro Santiago, o balanço dos encontros e mobilizações desencadeadas nas reuniões do conselho (que completou 12 anos de atuação) foram altamente positivas. “Percebemos que os resultados obtidos foram bons e os encontros foram proveitosos. Podemos citar que o Cisp (Centro Integrado de Segurança Pública) é uma realidade, o apoio de vários órgãos para ajuda na manutenção da frota da PM e logística nas DPs da cidade também foram implementadas e podem ser citadas como bons exemplos”, afirmou Leandro.

Segundo ele, felizmente em Niterói alguns índices de violência estão fechando o ano em baixa, confirmando que os dois citados anteriormente passaram a ser os que estão atraindo o foco do trabalho de repressão. “Com relação aos índices de roubos de carros, que ainda persiste, as quadrilhas agora estão atacando as vítimas e logo a seguir roubando outro, abandonando anterior. Há algum tempo atrás essas mesmas quadrilhas atuavam junto com receptadores em oficinas de desmanches. Quanto a incidência de roubos de cargas, vamos reunir em fevereiro com vários órgãos simultaneamente, como Polícia Rodoviária Federal (PRF), PM, representantes de seguradoras e do comércio, e juntos vamos traçar uma estratégia para conter esses números (que na verdade afligem todo o estado) na nossa cidade. O que podemos antecipar é que vamos combater também o receptador”, explicou.

Com otimismo, o presidente do CCSN ainda lembrou que as polícias realizaram ações importantes no trabalho de repressão ao tráfico, sendo inclusive registrados menos confrontos entre facções, sobretudo na Zona Norte da cidade, onde a incidência era alta, acrescentando a implantação do Proeis, a chegada do Programa Niterói Mais Segura, e a recente liberação de verba para renovação da frota policial. Nesse caso, a cidade já havia se mobilizado para ajudar através da iniciativa privada. “Estou satisfeito, porque Niterói provou que tem uma consciência social, e o CCS fez o seu papel de mobilizador, inclusive na esfera jurídica, já que também recebemos em nossos encontros representantes da Justiça niteroiense. Enfim, tratamos de questões que foram desde a troca de uma lâmpada e mato alto, até de aspectos jurídicos para ajudar a inibir a violência. Acho que se esse trabalho não fosse feito, com a ajuda de todos e da administração municipal, a situação na cidade estaria muito difícil”, concluiu Leandro Santiago.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 1 =