Roubos de carga continuam sendo rotina em São Gonçalo

A cidade de São Gonçalo permanece com o título de “capital” de roubos de carga, na região Leste Fluminense. De acordo com dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) nesta semana, referentes ao mês de fevereiro deste ano, os indicadores da prática estão no mesmo patamar de 2020, antes da pandemia da Covid-19.

O caso mais recente aconteceu na manhã de terça-feira (23), quando três funcionários de uma empresa de transportes foram sequestrados por seis criminosos armados com pistolas e fuzis, na Rua Dr. March, bairro da Venda da Cruz. O caminhão levava uma carga de carnes para distribuir em supermercados da cidade.

Os trabalhadores foram abordados na altura do condomínio Minha Casa Minha Vida e obrigados a seguir o carro dos bandidos até o bairro Zumbi. Quase toda a carne foi colocada no carro dos criminosos. Segundo os funcionários, cerca de 95% da carga foi roubada. As vítimas e o caminhão foram liberados e a ocorrência registrada na 73ª DP (Neves).

Segundo o ISP, a cidade registrou, em fevereiro de 2021, 67 ocorrências de roubo de carga, contra 68 casos no mesmo mês, no ano passado. Ou seja, apresentou uma oscilação de 1,5% para baixo. Além disso, a cidade está na “liderança”, se comparado a municípios vizinhos como Niterói, Itaboraí e Maricá.

Em Niterói, foram 12 casos registrados neste mês, contra 16 em fevereiro do ano passado. Itaboraí e Maricá apresentaram aumento, mas o total de ocorrências é baixo. Na primeira foram seis casos em fevereiro deste ano, contra quatro em 2020, já na segunda foram três registros no segundo mês de 2021, ante apenas um no mesmo período, ano passado.

Além disso, o município não acompanha o recuo na prática de roubo de carga em todo o Estado do Rio de Janeiro. Ainda de acordo com o ISP, em fevereiro deste ano foram 351 registros; já no mesmo mês, em 2020, foram 418 casos contabilizados. Isto significa uma redução de 16% nas ocorrências.

Procurada e questionada se há um planejamento de patrulhamento para coibir a prática, a Polícia Militar não havia respondido, até o fechamento desta edição.

Roubos de veículos

Tema de reportagem de A TRIBUNA no dia 4 de março, o crime de roubo de veículos segue em alta na cidade de São Gonçalo. Em fevereiro de 2021 foram 250 ocorrências, contra 204 no mesmo mês, no ano anterior, segundo o ISP. O aumento contabilizado é de 22,5%.

Em janeiro, o número de casos foi maior, mas o aumento em relação ao mesmo período, no ano anterior, foi menor. Ao todo, foram 277 casos contabilizados no primeiro mês de 2021, ante 242 no mesmo mês, em 2020. Isto significa um crescimento de 15,5%.

A prática é alvo de investigação nas delegacias 72ª DP (São Gonçalo) e 73ª DP (Neves). Enquanto a primeira aponta até mesmo participação de criminosos do Rio de Janeiro na organização criminosa, a segunda apurou que a disputa entre facções no Complexo da Alma reflete nos indicadores de roubos de veículos em sua circunscrição.

“A gente já tem investigações e muitas pessoas identificadas. Esses veículos são roubados por alguns criminosos de comunidades da região, não só Salgueiro, e estão sendo identificados através do trabalho de inteligência. Os veículos são utilizados para desmanche, roubos de outros veículos e circulação. Tem criminosos que vêm se deslocando do Rio de Janeiro, na Maré, para praticar roubos nessa região da mesma facção”, explicou o delegado Alan Duarte, titular da 72ª DP.

“A guerra de facções na área da 75ª DP [que engloba o Complexo da Alma] afeta bastante os índices de roubos de veículos tanto na área da 73ª DP quanto na 74ª DP. Os criminosos usam os veículos roubados para deslocamento e praticar novos roubos”, complementou Leonardo Macharet, titular da 73ª DP.

Vítor d’Avila

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + dois =