Roubo de celulares cresce 67,14% em Niterói

Andar e falar ao celular parece uma atividade comum, simples de ser feita. Com aparelhos cada vez mais modernos, semelhantes a um computador portátil (são e-mails, redes sociais e jogos), o eletrônico passou a ser objeto indispensável para a população. Mas, poucos sabem o perigo que correm ao praticar esse ato. Comparando os dados do primeiro semestre de 2015 com o mesmo período de 2016 do Instituto de segurança Pública do Rio de Janeiro (ISP-RJ), Niterói apresentou elevação nos casos de roubos a celulares de 67,14%. Números que chamam a atenção e alertam a população.

Moeda de troca rápida e fácil, o celular é o preferido da criminalidade. Os registros do ISP mostram que os meses de férias, onde a população lota as ruas a procura de diversão e lazer, são os que mais registram ocorrências. Os meses de janeiro e fevereiro juntos possuem, 110 casos, 31,33% do total de 2016.

A distrital que mais registra ocorrências é a 76ªDP (Centro), devido ao grande volume de pessoas que transitam na região. A vítima deste crime deve prestar a atenção e seguiar algumas regras para bloquear o aparelho em caso de furto ou roubo.

Procedimento
É importante entender que o registro policial é fundamental para o mapeamento da mancha criminal. A vítima de roubo ou furto poderá bloquear seu aparelho por duas formas: ligando para a prestadora e informando apenas o número da linha, ou diretamente na delegacia de polícia, quando estiver registrando o boletim de ocorrência.

A Anatel orienta o consumidor que quer comprar um celular de segunda mão. É importante que se verifique se o IMEI do aparelho não está bloqueado por roubo ou furto. Isso poderá ser feito noconsultaaparelhoimpedido.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 4 =