Rodrigo Neves e Prefeitura são alvos de operação da Polícia Federal

Vítor d’Avila

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT), foi alvo de mandados de busca e apreensão da “Operação Transoceânica”, na manhã de quarta-feira (16). A investigação da Polícia Federal e Ministério Público Federal (MPF) apura possíveis irregularidades nas obras do corredor Transoceânica e contratos de publicidade, firmados pelo Município. A ação contou com a participação de agentes do MPF.

Policiais cumpriram desde as primeiras horas da manhã de ontem mandados na casa do prefeito, em Santa Rosa, Zona Sul da cidade; na sede da Prefeitura de Niterói; e em outros endereços ligados ao caso, como empresas e residências de pessoas que tenham envolvimento com o que foi apurado.

Segundo investigação do MPF, Neves, associado a empresários e outros agentes públicos, teria se aproveitado do cargo de prefeito para cometer crimes de corrupção e fraudes em processos licitatórios ao longo dos mandatos sucessivos entre 2013 e 2020. As informações foram obtidas por meio de delações premiadas dos empresários Ricardo Pessoa, Ricardo Pernambuco, Renato Pereira e Marcelo Traça; além do ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, Jonas Lopes.

Ainda de acordo com o MPF, Rodrigo Neves, assim que assumiu o cargo de prefeito, teria promovido fraude no processo licitatório para contratação da empresa de publicidade Prole, assegurando não só contrato permanente de publicidade, como também e principalmente, garantindo a receita necessária para a arrecadação de propina em benefício próprio, de seus assessores e de conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de janeiro, cuja participação, àquela altura, se fazia imprescindível para assegurar a aprovação dos respectivos editais.

Além disso os documentos do MPF apontam que o prefeito também teria promovido fraude na licitação para contratar, na modalidade Regime Diferenciado de Contratação (RDC), as empresas Constran S/A Construções e Comércio e Carioca Chirstiani Nielsen Engenharia S/A para instalação do BRT Transoceânica Charitas-Engenho do Mato, realizada com verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-2). Neves também teria corrompido conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro como forma de assegurar a aprovação do edital e consequente favorecimento às empresas.

Outros alvos

Além de Rodrigo, foram alvos de mandado de busca e apreensão domiciliar André Felipe Gagliano Alves, assessor do prefeito; Domício Mascarenhas de Andrade, também assessor; Eduardo Bandeira Vilella, sócio da Prole; Krysse Mello Gonçalves, sócia da KRM; Renê Sampaio de Honorário Ferreira, também sócio da KRM; e William Passos Júnior, sócio da Prole.

A Polícia Federal também esteve nas empresas Barry Company Produções Audiovisuais Ltda.; KRM Produções Audiovisuais Ltda. – Fulano Filmes; Nimbus Comunicação e Marketing Ltda.; Pensamentos Associados Comunicação e Participações S.A.; e Prole Serviços de Propaganda Ltda.

Segundo a investigação, a contratação da empresa KRM (cujo nome Fantasia é Fulano Filmes), foi feita de forma simulada, com o pretexto de executar serviço de assessoria de imprensa. O MPF apurou que a Fulano Filmes participou de 19 (dezenove) cotações de preços ao longo de quase quatro anos, sagrando-se vencedora de todas estas com o mesmo valor cobrado, R$ 350.000,00.

De acordo com relatório que faz parte da apuração do Ministério Público, entre 1º de setembro de 2014 e 24 de abril de 2017, a Prole repassou R$ 7.190.232 para a KRM, chamando atenção para o fato de o capital social da contraparte ser de apenas R$ 20 mil. Para o MPF, tudo não passaria de um jogo de cartas marcadas para viabilizar o desvio de dinheiro público com emprego de fraude em benefício dos investigados, principalmente em função dos indícios de inexistência do serviço de assessoria, conforme constatado pela fiscalização do TCE.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 2 =