Rodoviários: Impasse pode terminar em greve

Faltando menos de 15 dias para o fim do prazo de negociação, o Sindicato dos Rodoviários de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac) e o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários (Setrerj), ainda não conseguiram chegar a um acordo sobre o reajuste salarial da categoria e evitar a greve de ônibus na região, a ser articulada a partir de 1º de novembro.

Após diversas solicitações do Sintronac, no dia 05 de outubro, representantes dos dois sindicatos enfim se reuniram para tentar chegar a um acordo. No encontro, realizado na sede do sindicato patronal (Setrerj), em Niterói, os empresários pediram um prazo aos rodoviários para que as empresas consigam uma resposta, favorável ou não, ao pedido de socorro financeiro feito ao poder público. A partir desta decisão, o Sintronac decidiu realizar novas assembleias da categoria, que poderão optar por uma greve de ônibus nos cinco municípios, caso suas reivindicações não sejam atendidas, até a data-base da categoria, em 1º de novembro.

O Sintronac disse que, até segunda-feira (18), as novas assembleias ainda não haviam sido realizadas. No entanto, ressalta a questão pode ser avaliada durante a nova rodada de assembleias, a serem realizadas a partir de 1º de novembro, quando a categoria decidirá, ou não, pelo indicativo de greve, reforçando que as assembleias são soberanas e são elas que decidirão os rumos da categoria, caso as reivindicações não sejam atendidas até a data-base.

Sobre o estudo encaminhado pelo Setrerj ao poder público, o Sintronac informa ser possível que, dependendo da resposta do executivo, novas rodadas de negociações aconteçam ainda esta semana, o que poderia mudar o panorama. No entanto, o sindicato avisa que o limite para que as empresas atendam às reivindicações da categoria (reajuste salarial imediato de 10%; aumento de 20% nas demais cláusulas econômicas do contrato de trabalho; R$ 400,00 para o valor da cesta básica (atualmente é R$ 280,00); comissão de 2% para os motoristas que acumulem dupla função; instalação de cofres nos pontos finais de maior circulação para que quantias não sejam transportadas pelos trabalhadores) continua sendo a data-base da categoria, ou seja, o dia 1º de novembro.

Por fim, o Sintronac informou que ainda não existe uma definição de data para paralisação da categoria. O que existe é a data-base, que é 1º de novembro. Até lá, as empresas podem apresentar propostas de negociação. Somente a partir dessa data um calendário de assembleias com indicativo de greve poderá ser votado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.