Rio registra primeira morte por sarampo em 20 anos

Bebê de oito meses é o primeiro óbito no estado desde 2000. Secretaria de Estado de Saúde alerta que, desde o lançamento da campanha “RJ contra o Sarampo”, em janeiro, apenas cerca de 10% do público-alvo foi imunizado. A Secretaria de Estado de Saúde confirma o primeiro óbito por sarampo no estado desde 2000. A vítima é um bebê de oito meses que faleceu no dia 06/01, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, região que registra o maior número de casos da doença no estado do Rio.

A SES reforça que a população do estado deve se vacinar contra o sarampo, que registrou 20 casos em 2018, 333 em 2019, e outros 189 em 2020. Iniciada no dia 13 de janeiro pelo Governo do Estado, a campanha “RJ contra o Sarampo”, que tem a meta de vacinar três milhões de pessoas, teve baixa adesão até o momento. Por isso, para reforçar o combate, a secretaria iniciou ações volantes com caminhões de vacinação percorrendo diversas cidades, como Nova Iguaçu, Duque de Caxias, São Gonçalo, Saquarema, Rio de Janeiro, entre outras. Tendas também foram montadas pela SES em locais de grande concentração, como estações de barcas, metrô e trens, além da rodoviária da capital e o aeroporto Santos Dumont. Além disso, a SES realizou um Dia D contra a doença este mês, em 01/02. A SES ressalta que a vacinação também está disponível nos postos municipais por todo o estado.

“Como venho alertando desde 2019, é imprescindível que as pessoas se vacinem e que os pais levem seus filhos aos postos de saúde, já que este é o grupo mais suscetível no momento. Iniciamos uma campanha em janeiro e, até o momento, em torno de 10% do público aguardado buscou a vacina. A previsão é que o Rio ultrapasse 10 mil casos de sarampo. E esse número só pode ser evitado por meio da vacinação”, alerta o secretário de estado de Saúde, Edmar Santos. A vítima, David Gabriel dos Santos, de oito meses, deu entrada no Hospital Geral de Nova Iguaçu no dia 22/12 com quadro de pneumonia e faleceu no dia 06/01, quando foi coletada amostra para os exames, que confirmaram a doença em duas diferentes análises.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *