Rio é o segundo estado com maior quantidade de cédulas falsas

O Rio de Janeiro é o segundo estado do país com maior quantidade de notas falsas retidas pelo Banco Central. A cidade maravilhosa juntou 39.306 notas falsas retidas, ficando atrás somente de São Paulo, com 112.927 mil. Já Minas Gerais ficou em terceiro lugar no ranking, com 36.478 falsificações. Comerciantes de Niterói percebem essas adulterações e precisam de muito ‘jeitinho’ para falar com os clientes.

O comerciante de uma loja de roupa masculina em Icaraí, Erick Garcia, de 35 anos, trabalha há 18 com vendas e já perdeu a conta da quantidade de cédulas falsas que já recebeu em seu estabelecimento. “Tenho que falar com muita delicadeza e explicar que a nota é falsa. Tem cliente que fica melindrado achando que eu estou o acusando da fraude, mas não é isso. Muitas pessoas são enganadas e repassam essas cédulas sem perceber”, explicou. O empresário já conhece no tato a diferença da nota verdadeira para a falsa. “O papel é diferente e percebo logo. Para tirar a dúvida olho contra a luz as marcações”, completou.

As notas de R$ 100 são as campeãs de falsificação, com 10.975 mil cédulas retidas, seguida de R$ 50, com 9.781, R$ 20 com 1.303, R$ 10 com 884 e R$ 5 e R$ 2 juntas somam 301 notas. Não é difícil encontrar esses ‘vendedores de notas falsas’ em redes sociais e em sites da internet. Em uma rápida pesquisa feita pela reportagem de A TRIBUNA foram encontrados os valores dos ‘combos’ de cédulas falsificadas. Por exemplo: R$ 160 em depósito a pessoa envia R$ 400 em espécie falsa, R$ 300 viram R$ 1 mil e muitos outros pacotes.

A Polícia Federal (PF) foi procurada pela reportagem para responder questões como: locais com maior circulação dessas notas, processos de produção e impressão e qual é a coibição dessa venda, por exemplo. Até o fechamento dessa edição, porém, não se manifestou sobre o assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − um =