Rio de Janeiro ganha Grupo Integrado de Segurança

O secretário de Segurança, Roberto Sá, anunciou nesta segunda-feira (09) a criação do Grupo Integrado de Operações de Segurança Pública (Giosp), que tem como objetivo prioritário compilar informações qualificadas para que auxiliem as polícias Civil e Militar em suas atuações, especialmente em casos que envolvam a entrada irregular de armamentos pesados. Serão 30 integrantes, entre policiais civis e militares, além de agentes da Secretaria de Administração Penitenciária. O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova, onde está instalado o núcleo.

Com os dados do Giosp, as polícias terão um cenário mais completo para atuarem na prevenção e investigação desses casos.

“A meta é preservar vidas. Não dispomos de recursos extras, utilizaremos a criatividade e o perfil dos profissionais escolhidos conta muito”, disse Roberto Sá.

Desarme
Acompanhado do chefe de Polícia Civil, Carlos Leba, e do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Wolney Dias, o secretário afirmou que será criada a Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme). O foco da nova especializada também será combater o tráfico de armas de longo alcance.

“Percebi a necessidade de otimizar os recursos da Secretaria de Segurança. Hoje, no Rio de Janeiro, apreende-se um fuzil por dia. No total, são, no mínimo, 20 armas de fogo diariamente”, ressaltou o secretário de Segurança, Roberto Sá.

Na Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos, o foco é a apreensão de fuzis, sub-metralhadoras e explosivos. A nova delegacia será instalada, em breve, na Cidade da Polícia, no Jacaré, Zona Norte do Rio.

Quando tomou posse como secretário de Segurança, em outubro do ano passado, Roberto Sá anunciou que iria dar uma atenção especial ao tráfico de armas, especialmente as de grosso calibre e explosivos. Na coletiva, Sá lembrou suas palavras, dizendo que essas duas novidades são a concretização da promessa. Em 2016, a PM teve a maior apreensão de fuzis feita até hoje: 320.

O Batalhão do Irajá, o 41° BPM, teve o número máximo de apreensões, retendo 54 fuzis. A unidade atua em uma área extensa, que engloba os bairros de Acari, Anchieta, Barros Filho, Colégio, Costa Barros, Guadalupe, Irajá, Pavuna, Ricardo de Albuquerque, Vicente de Carvalho e Vista Alegre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − seis =