Reunião na Câmara de Niterói comemora 113 anos da Umbanda

Aconteceu na tarde de hoje (15) uma comemoração em frente a Câmara de Vereadores de Niterói para celebrar os 113 anos da Umbanda, religião totalmente brasileira que surgiu em São Gonçalo no ano de 1908.

Com roupas brancas, típicas da religião, mais de 400 umbandistas se reuniram na câmara onde lavaram a escadaria e levaram suas demandas em uma sessão solene.

Fotos: rede social vereadora Walkíria Nictheroy

Uma lei (Lei 3.089/2014) do atual secretário das Culturas de Niterói, Leonardo Giordano, declarou a Umbanda Patrimônio Cultural Imaterial da cidade e a Lei 3.080/2014, que tornou o Candomblé Patrimônio Cultural Imaterial de Niterói. 

Fotos: rede social vereadora Walkíria Nictheroy

Segundo o Censo de 2010, em mais de100 anos de religião, a Umbanda reúne cerca de 430 mil seguidores pelo Brasil. Muitas pessoas ainda não se sentem confortáveis em assumir que são praticantes devido aos inúmeros ataques que a religião sofre.

Na Rua Floriano Peixoto, no bairro de Neves, em São Gonçalo, o médium Zélio Fernandino, aos 17 anos, dirigiu a primeira sessão da Umbanda, em 1908, em um pequeno imóvel que foi demolido em 2011, durante o governo de Aparecida Panisset.

Fotos: rede social vereadora Walkíria Nictheroy

Zélio surpreendeu a todos quando compareceu em uma sessão da Federação Espírita de Niterói, no dia 15 de novembro de 1908. Isso porque, no dia anterior, o então fundador da Umbanda estava acamado, com uma inexplicável paralisia.

Zélio sentou-se à mesa, a convite do médium José de Souza, que dirigia a sessão espírita kardecista. Em determinado momento, espíritos de caboclos (ancestrais indígenas brasileiros) e pretos velhos (escravos africanos) começaram a se manifestar através do jovem.

O dirigente se manifestou, pedindo que os espíritos ‘atrasados’ se retirassem. Zélio foi novamente incorporado por uma entidade, dizendo: “Se não houvesse ali espaço para espíritos de negros e índios cumprirem sua missão, ele (espírito) fundaria, já no dia seguinte, um novo culto na casa de Zélio”, complementando que era o “Caboclo das Sete Encruzilhadas”. 

No dia seguinte, 16 de novembro de 1908, o Caboclo das Sete Encruzilhadas voltou a incorporar Zélio de Moraes e traçou diretrizes para a nova religião: vestir roupas brancas, usar guias de contas coloridas e priorizar a incorporação de espíritos.

Rede social da artista Giovana Adoracion

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =