Reta final na preparação para o Enem

Pedro Conforte –

Falta um mês para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que acontece no dia 4 de novembro, e nesta reta final muitos alunos começam a se desesperar e tendem a estudar horas e mais horas, o que em excesso não é o recomendado por especialistas. Relaxar também é importante para a rotina de estudo e acalmar a cabeça para que o conhecimento seja assimilado.

“Alternar momentos de estudo com relaxamento. Se o aluno fica estudando muito horas seguidas a cabeça não acompanha. O estudo flui melhor com essas pausas. Além disso, é importante ter uma rotina de sono saudável e uma alimentação balanceada. Outro ponto muito importante é tentar, mesmo sendo difícil, não fazer a prova com muita pressão, ter confiança no conhecimento. O nervosismo atrapalha muito, se o aluno conseguir controlar esta pressão, tanto durante o estudo, quanto no dia da prova irá fazer com que o resultado seja muito melhor”, contou Sandro Massarani, coordenador pedagógico de um curso pré-vestibular em Niterói, que recomendou ainda estudos básicos nesta reta final.

“Geralmente o que falamos para os alunos é para estudar bastante o conteúdo básico, principalmente interpretação de texto e matemática básica. Muitas questões do Enem são interpretações”, completou.

Em relação à redação – a maior preocupação de muitos alunos –, o coordenador pedagógico recomenda ficar atento às questões atuais, raciais, de gênero, que envolvam as minorias sociais, imigrantes que vieram para o Brasil e eleições.

“Se eu fosse apostar, apostaria em consciência eleitoral, algo relacionado à democracia. Seria um ótimo tema, atual, que pode gerar muitas discussões”, declarou Sandro.

Apesar de a recomendação para manter a calma, muitos alunos não conseguem colocar a dica em prática, ou pelo menos têm dificuldade, como é o caso Karla Prudencio, de 24 anos. Esta vai ser a quarta prova que ela irá fazer para tentar entrar em uma faculdade de Medicina e nem quer lembrar que faltam 30 dias.

“Quanto mais perto mais a ansiedade aumenta. Nesta reta final tento aumentar o número de simulados para testar o conhecimento que já estudei e pegar o ritmo da hora para não me enrolar durante a prova. Já fiz três provas então vamos tendo um pouco mais de prática e este ano estou indo mais bem preparada”, declarou.

Como se já não fosse difícil apenas estudar, há quem tenha que conciliar com o expediente de trabalho, como Rodrigo Faria, de 31 anos. Biólogo, ele tem um horário nada convencional. Por isso, às vezes tem que estudar de manhã e outras de noite. Por conta disso ele aposta em aplicativos para compensar o tempo perdido.

“Assisto muitas videoaulas e faço resumos para estudar. Com os simulados e os exercícios vejo onde estão as dificuldades e foco os estudos nesta parte”, falou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 5 =