Reitoria da Uerj encaminha carta ao Estado reafirmando crise

Aline Balbino

A reitoria da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerh) encaminhou ontem uma carta ao Governo do Estado reafirmando a crise que a faculdade vem passando, desde novembro, por falta de repasse. Endereçado ao governador, Luiz Fernando Pezão, o documento mostra ainda um apoio de seis antigos reitores na luta para manter a universidade aberta. A reitoria considerou a dificuldade de iniciar o ano letivo de 2017 com tantos atrasos de pagamentos de servidores, funcionários terceirizados e bolsas de estudo. A manutenção/limpeza do Campus Maracanã e de todos os outros Campi está sem receber desde setembro de 2016.

Além de todo problema estrutural e financeiro, os funcionários terceirizados estão também sem receber o 13º salário, trabalhando com grandes dificuldades para comparecer a Uerj. A dívida do Estado com a Universidade gira em torno de R$ 360 milhões, destes valores, R$ 80 milhões seriam para pagamentos de salários dos funcionários ativos e inativos e R$ 23 milhões para a manutenção e custeio. Entre os restante está valores para pagamentos de bolsas de estudo.

Em todos os 13 campi da Uerj há cerca de 35 mil estudantes em cursos de graduação, pós graduação e ensino à distância. São mais de quatro mil estudos de mestrado e doutorado e todos esses alunos poderão ter o início do ano letivo alterado, pela falta de repasse. O Instituto de Aplicação também poderá sofrer com o problema. No documento, o reitor Ruy Garcia Marques, afirma que desprezar o ensino superior é apostar na miséria.

Após três meses de intensas tentativas de negociação, a reitoria da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) decidiu se posicionar diante do silêncio do Governo do Estado. Nos próximos dias, caso não haja acordo e o pagamento imediato dos salários integrais dos servidores e empregados terceirizados, as portas da faculdade ficarão fechadas.

Segundo Antônio Fernandes, da coordenação do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Públicas Estaduais do Estado do Rio de Janeiro, é preciso que o Governo do Estado cumpra com os pagamentos de novembro, dezembro e com os 13° salários.

“No ofício a reitora pontuou diversas questões, entre elas, os salários que estão atrasados. Ela explicou no documento que caso a resposta do Estado não seja satisfatória, que ela fechará algumas unidades”, disse.

A Secretaria de Estado de Fazenda informou que os servidores estatutários da Uerj estão recebendo os vencimentos de novembro de acordo com o calendário divulgado pelo Estado. As duas primeiras parcelas referentes ao salário de novembro foram pagas nos dias 5 e 6. As próximas serão pagas dias 11, 13 e 17.

A assessoria de imprensa da Uerj, informou que o Governo não respondeu à Uerj o ofício que lhe foi encaminhado. O prazo para o Governo responder às demandas de pagamento dos salários dos servidores ativos e inativos, de toda as bolsas discentes e docentes da Uerj seria para a última segunda (9). As atividades administrativas foram retomadas no dia 9, porém com muitas dificuldades pela falta de dinheiro de todos para comparecerem à Uerj.

A previsão é que no dia 17 as aulas sejam retomadas, mas com o atual cenário, será difícil começar o ano letivo na data prevista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =