Reforço escolar gratuito na rede pública de ensino

Raquel Morais –

No terceiro bimestre do ano alguns estudantes já começam a ‘fazer as contas’ das notas para garantir o boletim ‘azul’ no final do ano. Nesse mesmo período, os pais também usam da matemática para não ficarem com o orçamento no ‘vermelho’, com os gastos extras para o ensino. Professor particular, grupo de estudo, explicador e acompanhamento escolar das ‘tarefas de casa’ são alguns investimentos escolhidos para garantir as boas notas no final do período, que podem variar de R$ 50 até R$ 200 por hora/aula. Mas o que muitos pais e alunos não sabem é que a rede pública de ensino municipal e estadual oferecem esse serviço gratuitamente.

O professor particular de matemática Mario Di Renna trabalha há mais de 20 anos com reforço e explicou um pouco desse mercado. A hora de aula, na casa do contratante, custa de R$ 80 a R$ 100 e o ideal são duas visitas por semana.

“O mercado atual pede isso e na minha época não existia esse reforço gratuito na própria escola. A partir do segundo semestre a procura é maior pois as médias já estão ponderadas. O acompanhamento pessoal é diferenciado e é passado diretamente o que precisa para a dificuldade do aluno”, pontuou.

Na rede pública de ensino esse tipo de serviço é oferecido gratuitamente através de programas, muitos desconhecidos pelos pais e estudantes. A secretária Elza Guilherme, de 63 anos, é uma das pessoas que não havia sido informada sobre o serviço nas escolas públicas.

“Acho que o reforço é tão importante para ajudar o aluno a fixar a matéria e a entender questões que às vezes fica com vergonha de perguntar na sala de aula”, opinou a niteroiense.

A Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) informou que todas as escolas da rede pública estadual de ensino ofertam reforço escolar aos alunos regularmente matriculados e projetos pedagógicos que visam melhorar o processo de ensino-aprendizagem.

A Secretaria também frisou que participa do Programa Emergencial de Ações Sociais, que busca fomentar a permanência do jovem nas escolas por meio da realização de atividades complementares, acompanhamento pedagógico, bem como artes, cultura, esporte e lazer. No total, 419 escolas estaduais fazem parte da iniciativa, sendo 66 delas localizadas em Niterói e São Gonçalo. Nesses casos, as oficinas acontecem no contraturno das aulas para alunos com baixo rendimento, prioritariamente. A diretora do Colégio Liceu Nilo Peçanha, no Centro, Ana Queiroz, explicou o reforço da unidade, que acontece no contraturno e tem duas horas de duração.

“Os alunos que estão com baixo rendimento são encaminhados para o reforço, mas quem sentir que está precisando dessa ajuda é só procurar a direção”, pontuou.

Já na rede municipal de Niterói, a Prefeitura ressaltou que, em caso de necessidade, a escola notifica os pais sobre as dificuldades identificadas no aluno e informa a oportunidade de saná-las através do reforço escolar. O projeto, para o 1º e 2º ciclos, ocorre duas vezes por semana, com duração de duas horas na própria unidade. Para o 3º e 4º ciclos é oferecido o reforço escolar de língua portuguesa e de matemática, ocorrendo nas unidades escolares, sendo para o 3º ciclo três horas de trabalho para cada disciplina e para o 4º ciclo, duas horas.

Em São Gonçalo dois programas trabalham essa questão para o ensino fundamental, o Novo Mais Educação, que como a prefeitura explicou é um programa do governo federal que prevê o acompanhamento pedagógico, obrigatório, em língua portuguesa e matemática, além do desenvolvimento de atividades no campo das artes, cultura, esporte e lazer. Ele garante o acesso e a permanência do aluno na escola, sendo desenvolvido no contraturno. É inteiramente grátis e ministrado por voluntários, mediante ajuda de custo. A indicação dos alunos é feita pelos próprios professores. E também o Mais Alfabetização, que é voltado para estudantes do 1º e 2º anos do fundamental, também ministrado por voluntários junto aos professores no horário regulamentar, que acontece em 75 escolas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *