Recuperação do calçadão de Piratininga prestes a dar mais um passo

Raquel Morais –

Finalmente o estudo para solução de engenharia para a recuperação do calçadão da Praia de Piratininga, que foi destruído em uma forte ressaca em 2016, será apresentado na semana que vem. A informação foi confirmada pelo secretário de Planejamento, Orçamento e Modernização da Gestão (Seplag) de Niterói, Axel Grael. A empresa vai apresentar o resultado do estudo do local com alternativas para solução definitiva do problema. Mais mudanças nas praias da Região Oceânica também vão começar na próxima semana. Mais dois postos salva-vidas fixos começarão a ser construídos nas praias de Itaipu e Camboinhas. Atualmente, somente Piratininga está recebendo duas intervenções; no meio e no final do praião.

Axel explicou que uma empresa está desenvolvendo estudo, além da análise de engenharia para a restauração do calçadão. “Eles traçarão o perfil da praia, e de instabilidade, depois da ressaca da semana passada. Me informaram que iam fazer um estudo de topografia e medição no local. Após a apresentação, que está marcada para semana que vem, vamos definir, após uma audiência pública, qual melhor caminho para essa solução. As obras devem ser iniciadas somente no ano que vem, pois não temos como deixar de cumprir cada etapa. Não será uma intervenção pequena e não adianta colocar dinheiro público em soluções paliativas e, sim, soluções definitivas”, comentou.

Quem comemorou a notícia foi o comerciante Manoel Francisco Silva. Ele teve seu quiosque interditado em 2016 após parte da estrutura cair com a força do mar. “Vou comemorar quando essa obra começar e acabar. Minha renda caiu muito pois deixei de vender petiscos e comida para vender somente água de coco”, lamentou.

Desde 2011 o calçadão em questão vem sofrendo com ações naturais e está parcialmente destruído na frente do Quiosque do Bambuzal. Em abril de 2016 outra ação natural destruiu ainda mais o local, quebrou dois quiosques e cerca de 150 metros de calçadão cedeu e os espaços foram interditados pela Defesa Civil.

O administrador regional da Região Oceânica, Carlos Roberto Boechat, também comentou a importância dessa obra. “Será uma felicidade ter de volta o calçadão em sua exuberância total. Recuperar uma área que está destruída será uma vitória para quem curte, anda na praia, passeia e também para quem trabalha, como é o caso do Maçarico”, pontuou.

POSTOS SALVA-VIDAS
Boechat também contou os próximos passos da construção dos postos fixos de salva-vidas na Região Oceânica. Na semana que vem os operários vão começar as construções nas praias de Itaipu e Camboinhas.

Devido à extensão, a praia Piratininga receberá três equipamentos: o primeiro, no desvio da Avenida Almirante Tamandaré; o segundo, no ponto final do ônibus; e o terceiro, em frente à praça Professor Rivail, conhecida como Praça das Gêmeas. Já iniciaram as obras de dois postos de Piratininga, o do ponto final do ônibus e o que fica em frente à praça Professor Rivail.

Em Camboinhas, o posto será instalado na Avenida Beira Mar. Em Itaipu, a nova estrutura vai substituir o contêiner do Corpo de Bombeiros, localizado próximo ao canal. Já em Itacoatiara, o posto ficará sobre a parte pouco vegetativa da restinga, na área mais central da praia.
As novas instalações serão construídas com dois pavimentos, equipados com todo o suporte para o trabalho dos bombeiros. O investimento total é de R$ 739 mil, com prazo de conclusão de seis meses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *