RAYMUNDO NERY STELLING JUNIOR – TERCEIRO MILÊNIO E A NECESSÁRIA CULTURA DA PAZ

Nos encontramos no terceiro Milênio de nossa Saga Humana e assim, deveríamos contemplar a necessidade de sermos os grandes promotores de uma CULTURA PELA PAZ !
Inquestionável que atravessamos um momento da história mundial extremamente delicado aonde uma quantidade antes impensável de notícias falas estão a “inundar” a rede Digital e demais meios de comunicação levando a credibilidade que até então existia (com raras exceções) dos meios de comunicação a níveis profundamentos reduzidos…
De fato, na atualidade quando se tem acesso a alguma informação que nos chegue pelos mais diversos meios, o cidadão de imediato já começa a se questionar se será ou não verdade, posto que, recorrentemente, todos temos sido vitimizados por informações tendenciosas (de todos os lados) que levam a uma profunda insegurança acerca do que na verdade está ou não acontecendo.
Se torna mister que ocorra um movimento de sensibilização das pessoas em todas as sociedades do mundo para que se entenda que todos somos igualmente responsáveis pelas informações passadas, repassadas e que, se for uma inverdade e tal inverdade resultar em prejuízo de alguma ordem para alguém ou ate por vezes em escala maior para muitos , somos na verdade solidários a este erro na medida em que “alardeamos” para muitas outras pessoas o que de fato não possui nenhuma base de sustentação… no entanto…por vezes ( na maioria) o estrago fica feito e a partir daí pessoas e a Vida como um todo sofrem pesados revezes.…
A Sociedade Global precisa compreender que desde a revolução dos transportes e da revolução das comunicações o mundo, de fato, se transformou numa espécie de “Aldeia Global” no sentido que a proximidade entre diferentes povos, procedimentos, valores e culturas, passaram a conviver de forma extremamente próxima sem , no entanto, a maioria das pessoas terem noção dos valores sobre as quais grande parte destes costumes e culturas se originaram e assim, diversas formas de interpretação e mesmo de intromissão nos mesmo gera severos ruídos que pode ate mesmo causar verdadeiras guerras com todos os malefícios consequentes das mesmas.
A aproximação de tantas visões pensamentos e fundamentos – furto da história de cada povo devem ser respeitadas bem como suas identidades nacionais que certamente ricas em suas devidas formações, no entanto, num sentido mais amplo é necessário que existam princípios universais de relacionamento aonde se preservem tais identidades mas que exista uma “linguagem” pacífica e construtiva na relação dos homens entre si e das Nações entre si…
Externar um pensamento ou repassar uma informação que nos chega deve nos levar ao necessário exercício da reflexão para que tenhamos a imensa responsabilidade existencial de ao nos pronunciarmos sermos arautos de verdades que possa evitar conflitos, de verdades que possa,m a ajudar a construir pontos e compreensão entre as diversas pessoas, culturas, povos, .…
A Contemporaneidade se encontra eivada de situações que já chegam ao seu extremo e o pior de tudo é que – literalmente – milhões de pessoas sofrem das mais diversas e hodiernas formas e tal sofrimento no seu sentido mais amplo recai sobre todos posto por vezes colaborarmos ( ainda a que completamente de forma inocente) mas estarmos a repassar informações e considerações que não se baseiam na verdade e portanto, sermos também os “protagonistas” de tais situações lamentáveis, vexatórias, causadoras de dor, constrangimentos, sofrimentos,m mortes, etc…
A História Humana já tem atravessado suas Eras ( Antiguidade, Idade Média, Idade Moderna e a atual Idade Contemporânea) e do “alto” desta milenar experiência deveríamos nos encontrar alertados da importância de termos equidade, responsabilidade e protagonismo a favor do Bem e da Paz num momento aonde tanto ânimos se encontram tão exaltados e por tais precipitações consequências atrozes estão a acontecer para parcela significativa da Humanidade e, certamente afetando também o dia a dia de todos nós…
Creio que talvez a Humanidade precise encontrar um Padrão de Ética Universal aonde possamos aprender a conviver e a nos enriquecer com a diversidade dos fatos, dos saberes, das experiências, dos conhecimentos, das sensibilidades e que tudo que se identifique por consenso geral como construtivo, positivo, fraterno sejam “nortes” para que todos os povos numa Unidade existencial possam conviver gerando felicidade para todos humanos, fauna e flora do planeta e o Ambiente Natural que tanto tem sofrido com tantos descalabrios…
Sim, não podemos deixar de considerar a importância de compreendermos que o Ser Humano não é o senhor da Terra mas parte de um todo vivo, posto a terra ser Viva e todo seus intrincado sistema de sustentabilidade (que nos envolve) deva ser respeitado para a garantia da sobrevivência da Vida nesta – como comumente se diz: “única casa que com certeza temos até agora”!
Precisamos atuar decisivamente me prol de uma Cultura da Paz que propicie as gerações vindouras sadios exemplos de equidade e de capacidade dialógica nas construção de uma Sociedade que se paute em princípios e alicerces “sólidos!” voltados aos valores maiores da Fraternidade, da democracia, da Igualdade e da capacidade de Tolerância frente as diferenças que, na verdade, se constituem em rica contribuição de crescimento para todos !

Professor Doutor Raymundo Nery Stelling Júnior ( PhD in Science Education / USA ; Master in Administration – Total Quality Management / USA ) é Presidente-Chanceler do IFEC – Instituto Interamericano de Fomento à Educação, Cultura e Ciência ( www.ifec.org.br ).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.