Queda da pandemia faz literatura e eventos literários voltarem com força

Com os índices de óbitos e casos de covid caindo no país nos últimos meses está fazendo com que diversos movimentos culturais voltem a ganhar fôlego. Inclusive os ligados à literatura. Um exemplo disso é a retomada da tradicional Bienal do Livro, em São Paulo. Mas outras iniciativas do tipo também acontecem espalhadas pelo país e até lá fora.

Com o propósito de divulgar autores brasileiros no Salão do Livro de Paris, que acontecerá nos dias 16 e 17 dezembro de 2021, escritores de todo Brasil poderão se inscrever, até o fim de outubro, para participar d para participar do evento na França. A iniciativa pretende expandir a literatura brasileira para outros países, sendo uma vitrine aos autores já reconhecidos, como iniciantes no mercado editorial.

Idealizado pela escritora Jô Ramos, responsável pela editora ZL Books, o encontro levará obras brasileiras para a capital francesa. Ela explica que será uma grande alegria poder promover mais este evento. No ano de 2020, o Salão do Livro não aconteceu, devido a pandemia, e neste ano pretende ampliar ainda mais o projeto de divulgação dos autores nacionais.

Jô Ramos é a responsável pela editora ZL Books. Foto: Divulgação

“Com cada vez mais pessoas vacinadas e as portas da França abertas para os turistas, ficamos otimistas em poder tocar este lindo projeto em terras parisienses.  São mais de 10 anos de trabalho, enfrentando todo tipo de dificuldades, mas, sempre buscando ampliar e consolidar nossa ação. Já estivemos em Portugal, Canadá, EUA, Alemanha e Brasil, e, enfim, chegaremos em Paris, na França. É mais uma conquista, que deve ser celebrada”, conta Jô.

A escritora enfatiza que a participação só será possível se os vencedores estiveram com o comprovante das duas doses da vacina, além do uso obrigatório de máscara e álcool gel. As inscrições acontecem pelo e-mail: zlbooks11@gmail.com.

Parceria com artista plástica motivou livro

Quem também aproveitou o momento foi a jornalista Marta Paes, que juntamente com Stella Maria Ferreira criaram a obra “Contornos – Palavras e Arame”, lançado recentemente. Feito em parceria com a jornalista Marta Paes, o livro é um desdobramento das mensagens publicadas diariamente no instagram @artearamimar, criado por Marta, e tem o propósito de transmitir algo de bom às pessoas em meio à pandemia. É também um resultado da paixão com que a professora e escritora Stella Maria Ferreira escreve o blog Molduras Literárias. Movidas pelo mesmo sentimento, as amigas passaram a se dedicar ao projeto comum de transformar em livro as iniciativas virtuais.

“O livro é a materialização de um sentimento que eu e Stella compartilhamos ao longo de 2020. Tanto as imagens quanto os textos falam direto ao coração, à alma. É um livro de coisas boas”, define Marta Paes.

Livros virtuais também conquistam espaço

Mas não são apenas os livros físicos que estão voltando com tudo. Os virtuais também seguem aproveitando o bom momento. Esse é o caso do ebook “Perfeito é aquilo que te faz bem”, da escritora Ana Linhares.

O livro fala sobre o corpo da mulher e como a sociedade ao longo da história impôs e impõe seus conceitos. Com relatos de várias pessoas, o livro tem a proposta de ajudar a mulher a se aceitar do jeito que é.Se a mulher é e deve ser vaidosa, esse cuidado com a aparência, muitas vezes, acaba se tornando um fardo. Por uma ditadura imposta pela sociedade, por comentários maldosos ou até mesmo por uma cobrança em excesso, muitas mulheres se tornam reféns dessa vaidade. E não conseguem ter um bom relacionamento com o próprio corpo.

“Ao longo da minha carreira como jornalista, ouvi muitas histórias de mulheres que carregam traumas, complexos e até uma relação de ódio com o corpo”, diz.

Ana Linhares é autora de “Perfeito é aquilo que te faz bem”. Foto: Divulgação

A história também mostra um relato cruel quando o tema é o corpo feminino. Estereotipado, usado, depreciado e vulgarizado. Diante de um ideal perfeito, como ficam aquelas que não se adequam e, por mais que tentem, não conseguem  chegar a esse padrão?  O que seria perfeito, afinal? O livro traz relatos de diversas mulheres que  ajudam a  desmitificar esse ideal de perfeição. Para preservá- las, elas não são  identificadas pelo verdadeiro nome.

“A perfeição está justamente em se aceitar do jeito que é. Porque no final das contas, perfeito é  aquilo que te faz bem”, conclui Ana que faz questão de enfatizar que tem 51 anos e que encara com muita tranquilidade o fato de não esconder a idade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 + 14 =