Quadrilhas de agiotas são desarticuladas pela polícia

A polícia permanece na cola de acusados de agiotagem, desarticulando quadrilhas especializadas na prática. Nesta segunda-feira (5), mais dois homens, apontados como membros de organizações criminosas, foram presos, nas cidades de Niterói e Cabo Frio, por policiais civis da 76ª DP (Niterói).

Durante a manhã, os policiais localizaram o acusado conhecido como Braga, de 42 anos. Ele era um dos alvos da Operação Infestus, deflagrada pela 44ª DP (Inhaúma) no ano de 2019, para desarticular uma das maiores organizações criminosas do Rio de Janeiro voltadas para a prática de agiotagem e extorsão, que já chegou a ter 70 escritórios espalhados por todo estado.

Braga foi capturado na Rua Andrade Neves, no Centro de Niterói, com base na análise e sistematização de dados de inteligência produzidos pela distrital. Segundo as investigações, o acusado estava foragido desde outubro de 2019 e era responsável pelo setor de cobranças da quadrilha. Contra ele, foi cumprido mandado de prisão preventiva por organização criminosa e extorsão, emitido pela 33ª Vara Criminal da Capital.

Atuação da quadrilha

De acordo com a 76ª DP, além da prática da agiotagem clássica, em que os empréstimos incidem juros abusivos, a quadrilha que Braga integrava colecionava vítimas cobrando dívidas antigas, adquiridas com agiotas, que já tinham sido quitadas. Além disso, também cobravam dívidas fictícias de empréstimos que nunca existiram. Eles telefonavam insistentemente para os “devedores”, parentes e vizinhos, fazendo ameaças até conseguirem o pagamento da suposta dívida.

Preso em Cabo Frio

Durante a tarde, policiais da distrital capturaram, em Cabo Frio, o integrante de outra organização criminosa, especializada na mesma prática. Os agentes encontraram o criminoso conhecido como “Pit”, de 44 anos, no município da Região dos Lagos. De acordo com a 76ª DP, ele estava foragido havia mais de seis anos, com mandado em aberto por crime de extorsão, com base em apuração da 123ª DP (Macaé) e do Gaeco.

Natural de São Gonçalo, Pit atuava como um dos “cobradores” da organização criminosa com atuação no tentáculo do esquema na Região dos Lagos. O homem foi preso após os agentes da Delegacia de Niterói permanecerem em vigilância no local para verificar informações produzidas pelo Setor de Inteligência da unidade cujos dados indicavam seu provável endereço de residência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − dezesseis =