Projeto Segunda Casa é implementado

O projeto Segunda Casa, que proporciona momentos de interação em delegacias do Rio de Janeiro, teve a sua execução iniciada hoje pela manhã (8), na 76ª DP (Centro). A segunda delegacia a receber o projeto à tarde foi outra central de flagrantes, desta vez, em São Gonçalo, a 74ª DP (Alcântara). Com o objetivo de ajudar na dissipação da pressão vivida pelos agentes da Polícia Civil, o projeto Segunda Casa incentiva em cada delegacia um momento de interação diário como a realização de um simples café da manhã ou da tarde ou até mesmo uma celebração pelo aniversário de um colega. Assim, os laços entre as equipes são fortalecidos e uma rotina menos desgastante é promovida. O benéfico projeto foi proposto pelo diretor do Departamento Geral de Polícia do Interior (DGPI), José Pedro Pires, e pela diretora do 4º Departamento de Polícia de Área (DPA), Raíssa Celles, com o apoio do secretário de polícia civil Flávio Brito.

“O trabalho policial é pesado e exige muito do ser humano. As pessoas chegam nas delegacias com os problemas e o policial vai ali somatizando. Ele precisa ter um ambiente digno onde ele possa fazer as suas refeições, especialmente o policial plantonista, que fica 24h na delegacia e muitas das vezes convive muito mais no trabalho do que com as pessoas da própria casa. Nós procuramos através desse projeto propiciar este bom ambiente onde o policial possa trocar uma ideia com um colega sobre uma investigação, favorecer essa união entre os policiais que muitas das vezes nem conversam com os colegas no ambiente de trabalho . Prestigiar o agente para que ele possa estar satisfeito e prestar a população um atendimento digno, personalizado. Quando a pessoa trabalha satisfeita e feliz e percebe que é valorizada ela tem mais vontade de trabalhar como se fosse uma forma de retribuição. Tudo isso reflete em um melhor atendimento àqueles que chegam tão carentes de ajuda depois de sofrer alguma violência”, declarou a diretora do 4º Departamento de Polícia de Área (DPA), Raíssa Celles.

O trabalho policial exige, dentre uma série de requisitos, cuidados e prudência na apuração dos fatos, precisão em suas ações junto de certa rapidez, além de atenção para a preservação da própria vida dos agentes. Todo esse contexto pode trazer forte estresse e desestabilização emocional e psicológica daqueles com funções na segurança pública.

“Nós ficamos muito agradecidos por termos sido a primeira unidade a receber este projeto. Ele é muito importante. Este espaço cuja finalidade é ser um espaço harmônico realmente como uma extensão da casa dos servidores. Esperamos que ele seja visto pelos policiais assim e esperamos que assim eles possam elaborar melhor e desincumbir melhor as suas atribuições nesta central de fragrantes com tanto trabalho sendo uma única central a atender seis delegacias ao mesmo tempo. Aqui os policiais têm uma carga de trabalho elevada em comparação a outras unidades. Esperamos que o projeto seja bem atendido e atinja a sua finalidade”, afirmou o delegado titular da 76ª DP, Thiago Dorigo.

Os refeitórios das unidades participantes do projeto serão revitalizados e empresas através de doações irão fornecer aparelhos de televisão, micro-ondas, cadeiras, cafeteira industrial, conjunto de copos, conjunto de talheres, suplas e pratos. Inicialmente serão 25 unidades de policiais beneficiadas no estado. Os criadores do projeto se inspiraram na experiência das instituições vencedoras do Prêmio Melhor Empresas para Trabalhar, Brasil, 2019, concedido pela Revista Época – Negócios.

“A gente precisa valorizar o policial civil mostrar que ele é importante para a administração superior e que é o seu trabalho que faz a polícia ir para a frente, impulsiona o dia a dia da polícia. A 76 foi a primeira delas por ser a central em flagrantes de Niterói, possuir um grande número de pessoas e movimentação e, assim, em consequência, um maior número de servidores e atendimentos. São 39 policiais beneficiados, a maior parte no plantão. Durante a pandemia as pessoas se viram sem ter onde comer fora da delegacia, então isso só reforça a importância do projeto”, finalizou a diretora Raíssa Celles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − quatro =