Projeto Palco Niterói Discos no Solar do Jambeiro

O Projeto Palco Niterói Discos, uma parceria do Solar do Jambeiro com o selo Niterói Discos, recebe na próxima quarta-feira, 12 às 20h, o cantor e compositor niteroiense Márcio Proença. O show, que contará com as participações mais do que especiais de Fátima Regina, Clara Paixão, Marcus Lima, Ricardo Gilly e Vladimir Sosa, homenageia o artista que gravou dois discos pelo selo institucional da prefeitura: “Facho de luz” (2004) e “Retrato Cantado” (2014).

A história de Vicente Márcio Proença Pereira com a música, começou aos 15 anos, quando foi estudar no Colégio Militar Ginásio Barão de Paty do Alferes. Lá, fez amizade com Gonzaguinha e o compositor Paulo Emílio, também alunos. Autor de mais de 150 músicas gravadas, ainda aos 17 anos teve seu primeiro registro como compositor com a gravação da canção “A palavra que ficou”, por Áurea Martins. Seu primeiro disco foi gravado em 1964, pela Mocambo.

Na década de 1970, Proença fez parte do Movimento Artístico Universitário (MAU), ao lado de Gonzaguinha, Aldir Blanc e Ivan Lins, entre outros. Também nessa época, integrou, juntamente com Eduardo Lage, Flávio Faria e Ana Manhães, o Quarteto Forma, com o qual lançou um compacto duplo e um LP pela Odeon, produzidos por Mariozinho Rocha.

Em 1980, lançou os LPs “Marcio Proença” (1981), com a participação de Lucinha Lins, Aldir Blanc e Gonzaguinha, e “Eterno diálogo” (1984), este último com a participação de Lucinha Lins e Nana Caymmi. E em 2004, gravou o CD Facho de Luz, também produzido por João Carino, com participações de Beth Carvalho, Paulo Cesar Pinheiro, Guinga, Ivor Lancelotti, Simone Guimarães, entre outros.

Produzido pela Carino Produções, com o apoio do Instituto Memória Musical Brasileira (IMMuB), Proença gravou em 2014, novamente pelo selo Niterói Discos, Retrato Cantado, que reúne, em CD e DVD, 10 composições jamais gravadas por Proença, com direito a solos exclusivos de 14 violões. O disco foi lançado em novembro do mesmo ano, no Teatro Municipal de Niterói.

Funcionário público aposentado, o niteroiense Marcio Proença sempre considerou a música um hobby. Não que tenha faltado oportunidades para fazer dela o seu ganha-pão. É que ele preferiu a segurança do emprego fixo. Além do mais, nunca gostou de apresentações ao vivo.
Proença tem estilo único. Além dos braços cobertos por tatuagens, ele usa pulseiras, anéis nas duas mãos e cordões. À primeira vista, pode ser confundido com um roqueiro, apesar de a sua música estar muito longe dos acordes distorcidos de guitarra. Durante boa parte de sua vida, seu instrumento foi o violão. Mesmo sem se considerar um músico profissional, Márcio Proença é tido por alguns dos grandes nomes da MPB como um artista de primeira grandeza.

A classificação etária é livre, a entrada é gratuita e o Solar do Jambeiro fica na Rua Presidente Domiciano, 195 em São Domingos. Mais informações pelo telefone (21) 2109.2222.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 4 =