Projeto Gugu tem aulas suspensas após corte de repasses

Raquel Morais

Dos 40 polos do Projeto Gugu, entre ginástica e dança de salão, apenas três estão funcionando. A suspensão dos outros 37 grupos espalhados por dezenas de bairros em Niterói, aconteceu há uma semana por falta de pagamentos dos funcionários da Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt há dois meses. Informações da própria fundação apontam que a dívida chega aos R$ 90 mil e cerca de 34 funcionários estão sem os vencimentos.

Diariamente o projeto atende cerca de 2,6 mil alunos de ginástica e dança de salão e apenas os grupos da Praia de Icaraí, Bay Market e do Hortifruti, que são patrocinados pela própria rede comercial de frutas e legumes, continuam funcionando. “A prefeitura está atrasada no pagamento em dois meses. Tivemos a informação que o pagamento será atualizado em breve e estamos só esperando, acredito que na semana que vem já deve estar tudo regulamentado. Os alunos sentem essas pausas nas atividades e o idoso precisa de um ritmo para o bem-estar e saúde”, explicou Regina Bittencourt, presidente do Projeto Gugu.

Ao todo são 37 polos de ginástica, dois de dança de salão e um coral, tudo trabalhado com 26 professores de educação física além de maestro, pianista e motoristas. “Eu faço a ginástica duas vezes por semana na Policlínica Doutor Sérgio Arouca, em Santa Rosa, e sinto esse tempo parado. Além da atividade física tem também a questão social em que a gente se relaciona, conversa e brinca”, saudou a aposentada Maria Lúcia Soares, de 62 anos.

A Prefeitura de Niterói informou que os pagamentos dos meses de janeiro e fevereiro foram suspensos em função da análise da prestação de contas e que serão efetuados no início da próxima semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 2 =