Projeto Arte da Rua apresenta Flor do Canto no Horto de Itaipu

O projeto Arte na Rua apresenta nesse domingo, 29 de julho, às 11h, em seu palco do Horto do Itaipu, o grupo vocal niteroiense Flor do Canto, que sob a regência da cantora e preparadora vocal Cacala Carvalho, apresenta nove vozes femininas que cantam à capella, acompanhadas por violão e percussão.

O grupo foi criado em 2007 a partir da reunião de pessoas em torno da proposta de cantarem juntas e do amor comum pela música. O fato de ser formado exclusivamente por mulheres, foi um acaso que se tornou uma das suas características mais marcantes. O repertório de música brasileira entoado por vozes femininas encanta por onde passa.

As nove integrantes, mulheres leigas em música, de idades e profissões variadas, todas acima dos 40 anos, abrem uma janela para que todos se vejam estimulados a cantar, a inspirar-se, a respirar melhor. O grupo traz este belo adendo: a força e a graça do feminino, o aspecto criador, mantenedor e transformador da vida que desabrocha na sua performance.

Em seu processo de preparação vocal, o Flor do Canto tem feito ensaios abertos ao público e shows, já tendo participado de inúmeros encontros de corais desde sua estreia no Sala de Estar (Itaipu – Niterói), em abril de 2008. Desde então, vem representando a musica vocal de Niterói, cantando para o grande publico amante da música vocal.

Além de estar à frente do grupo Flor do Canto nos últimos anos, a artista tem uma carreira sólida na música, tendo participado como backing vocal em discos de diversos artistas, como Carlinhos Félix, Dora Vergueiro, Macleen, Jussara Silveira, Maíra, Arthur Maia, Márvio Ciribelli, Ju Cassou, Marianna Leporace e Luciano Bruno.

Em 2001, a artista lançou seu primeiro CD solo independente, “Ela e ele e eu”, com produção de Fernando Caneca. Nesse mesmo ano, Cacala passou a integrar o respeitado grupo de samba carioca Arranco de Varsóvia. Com o Arranco, gravou os CD “Na cadência do samba” (2005), “Pãozinho de Açúcar – Arranco canta Martinho da Vila” (2010) e “Na panela pra dançar” (2014).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 4 =